Está estudando para Assistente Legislativo - ALE AP/AP? Veja o Programa de Estudo que preparamos para você:

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 5, baseie-se no texto abaixo.

[O motor da preguiça]

Acho que a verdadeira força motriz do desenvolvimento humano, a razão da superioridade e do sucesso do Homem, foi a preguiça. A técnica é fruto da preguiça. O que são o estilingue, a flecha e a lança senão maneiras de não precisar ir lá e esgoelar a caça ou um semelhante com as mãos, arriscando-se a levar a pior e perder a viagem? O que estaria pensando o inventor da roda senão no eventual desenvolvimento da charrete, que, atrelada a um animal menos preguiçoso do que ele, o levaria a toda parte sem que ele precisasse correr ou caminhar?

Toda a história das telecomunicações, desde os tambores tribais e seus códigos primitivos até os sinais da TV e a internet, se deve ao desejo humano de enviar a mensagem em vez de ir entregá-la pessoalmente. A fome de riqueza e poder do Homem não passa da vontade de poder mandar os outros fazerem o que ele tem preguiça de fazer, seja de trazer os seus chinelos ou construir suas pirâmides.

A química moderna é filha da alquimia, que era a tentativa de ter o ouro sem ter que procurá-lo, ou trabalhar para merecê-lo. A física e a filosofia são produtos da contemplação, que é um subproduto da indolência e uma alternativa para a sesta, A grande arte também se deve à preguiça. Não por acaso, o que é considerada a maior realização da melhor época da arte ocidental, o teto da Capela Sistina, foi feita pelo Michelangelo deitado. Marcel Proust escreveu Em busca do tempo perdido deitado. Vá lá, recostado. As duas maiores invenções contemporâneas, depois do antibiótico e do microchip, que são a escada rolante e o manobrista, devem sua existência à preguiça. E nem vamos falar no controle remoto.

(Adaptado de: VERISSIMO, Luis Fernando. O mundo é bárbaro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008, p. 54-55)

No segundo parágrafo, a fome de riqueza e poder do Homem é dada como justificativa para a

  • A.

    obtenção de meios que lhe permitam dominar seus semelhantes, obrigando-os às mais variadas tarefas.

  • B.

    improvisação permanente de técnicas ineficazes, pelas quais o poderio almejado se transforma em duro fracasso.

  • C.

    criação de obras de arte de valor inestimável, como as produzidas pela genialidade de Michelangelo e de Proust.

  • D.

    contemplação filosófica, que leva os homens a erguerem seu pensamento para as mais altas ideias.

  • E.

    substituição do talento pessoal pelo esforço de chegar a alguma invenção de grande repercussão política.