A partir da metade dos anos 60 do século passado, no Brasil, a consciência de seu carát...

Questão 43

43
Q325560
Filosofia Filosofia da Cultura
Atalhos
Compartilhar
Ano: 2008
Banca: Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB - CESPE CEBRASPE
Prova: CESPE/CEBRASPE - SESI - Analista Pedagógico - Área Filosofia - 2008

A partir da metade dos anos 60 do século passado, no Brasil, a consciência de seu caráter de continente periférico, alheio às decisões mundiais, apêndice dos blocos de poder, substituiu a euforia desenvolvimentista. Sua marginalidade, agravada, a partir dos anos 80, pela recessão econômica, só parece compatível com as estritas análises político-econômicas (...). O tratamento filosófico das questões era confundido com o ecletismo e o antiexperimentalismo da época colonial, sendo então tomado como traço de letrados tradicionais e incapazes de contribuir para a solução prática dos problemas (...). Essa alergia à reflexão filosófica se mostra, na conjuntura atual, pela incapacidade de lidar com a interpretação da cultura senão como prolongamento da conjuntura político-econômica.


Luiz Costa Lima. Apud F. Ceppas. Anotações sobre a formação filosófica no Brasil e o ensino de filosofia. In: S. Gallo, M. Danelon e G. Cornelli. Ensino de filosofia: teoria e prática. Ed. Unijuí, 2004 (com adaptações).


A partir das idéias apresentadas no texto acima, assinale a opção correta.

A

O desprezo histórico da filosofia no Brasil é resultado de sua origem na época colonial.


B

Os filósofos são incapazes de contribuir à solução prática dos problemas de um país em desenvolvimento.


C

O filósofo, no Brasil, é considerado, pela cultura majoritária, um elemento moderno da cultura, capaz de contribuir com o desenvolvimento do país.


D

A cultura é interpretada, no Brasil, como prolongamento da conjuntura econômica.