Está estudando para Administrador - UEPB/PB? Veja o Programa de Estudo que preparamos para você:



A partir, ainda, da reflexão proposta nos textos I e II, pode-se deduzir que
  • A. no texto II, o sorriso da criança, quando contraposto a todos os elementos de denúncia veiculados na imagem – que sugerem envolver, desde um aparato midiático calculado estrategicamente pelas grandes etiquetas de consumo, a exemplo da manipulação de crianças a consumir desde a sua mais tenra idade até a fase adulta, transformando-a, muitas vezes sob a tutela e concordância da família, em objeto material de consumo – sugere revolta e ironia.
  • B. não se pode conceber nenhuma relação semântico-discursiva entre o título do texto I (Eu, etiqueta) e a imagem da criança, veiculada no texto II.
  • C. o eu poético, no texto I, parece assumir, através da ambiguidade, uma ironia em relação a sua atitude de se entregar aos apelos consumistas: ao mesmo tempo em que reconhece que se ‘coisificou’ – no momento em que perdeu a capacidade de escolher e decidir por ele mesmo; de ser ele, individualizado, ter sua própria essência, pessoa e não máquina de consumo – também admite que assim agiu por deliberação própria e autônoma, como por exemplo, através dos versos a seguir: “Não sou – vê lá – anúncio contratado./Eu é que mimosamente pago/ Para anunciar, para vender/Em bares festas praias pérgulas piscinas.”
  • D. o eu poético, no texto I, parece assumir, através da ambiguidade, uma ironia em relação a sua atitude de se entregar aos apelos consumistas: ao mesmo tempo em que reconhece que se ‘coisificou’ – no momento em que perdeu a capacidade de escolher e decidir por ele mesmo; de ser ele, individualizado, ter sua própria essência, pessoa e não máquina de consumo – também admite que assim agiu por deliberação própria e autônoma, como por exemplo, através dos versos a seguir: “Não sou – vê lá – anúncio contratado./Eu é que mimosamente pago/ Para anunciar, para vender/Em bares festas praias pérgulas piscinas.”
  • E. as pistas sugeridas no texto I ratificam que, embora reconhecendo a sua nova identidade (Coisa), o eu-poético mantém traços fortes de sua antiga identidade, homem.