Biologia Ecologia Biomas e Domínios

Em Ensino por investigação: Sequência didática “Mata Atlântica – Restinga” (disponível em http://botanicaonline.com.br/geral/arquivo/sequencia_Restinga.pdf), os autores propõem o estudo da biodiversidade vegetal, enfocando duas importantes formações da região costeira: a Mata Atlântica (floresta) e sua variação restinga. A exploração do tema é realizada com base nos princípios do ensino por investigação e, em uma das atividades, os alunos devem comparar características de plantas dos dois ambientes.

Baseando-se em anotações prévias de seus cadernos de campo e nos conhecimentos adquiridos sobre os fatores abióticos de ambos os ecossistemas, os estudantes deverão associar que:

  • A. a folha A é oriunda de espécies de restinga, pois a suculência indica a existência de reserva de água capaz de suprir a dificuldade de absorção dessa substância em ambientes salinos costeiros.
  • B. a folha B origina-se da floresta, onde a elevada umidade do ar permite que vegetais de folhas finas e sem impermeabilização realizem trocas gasosas e absorção foliar de água, dia e noite, alcançando grande produtividade líquida e maior porte.
  • C. a folha A provém de floresta de Mata Atlântica, onde as folhas grossas devem-se à existência de espaços repletos de ar no parênquima foliar (aerênquima), que atua como isolante térmico, protegendo as proteínas vegetais da desnaturação.
  • D. a folha B pertence à espécie de floresta de Mata Atlântica, onde a luminosidade é pouca no interior da mata e as folhas finas e sem cutícula impermeabilizante aumentam a captação de luz.
  • E. a folha A foi coletada na restinga, já que a secreção de uma cutícula espessa no parênquima foliar protege contra o excesso da radiação solar U.V., excessiva nesse ambiente.