A clínica da Dependência Química, incluída na Saúde Mental como espaço de atuação da Terapia Ocupacional, necessita de maior investimento do profissional pelo aprofundamento do estudo e maior compromisso social. Nesse aspecto, é INCORRETO afirmar que

  • A.

    na avaliação do paciente, inclui-se a história de vida, dinâmica familiar, alterações clínicas, vínculo com a droga ( tipo, freqüência e intensidade do uso).

  • B.

    a Terapia Ocupacional cria possibilidades de vivências internas refletidas no cotidiano externo, sem o vínculo com a droga, desconstruindo o modelo anterior e recriando tarefas e projetos.

  • C. a recaída é considerada situação própria do tratamento, devendo o terapeuta ocupacional discutir com o paciente a superação da ocorrência de forma reflexiva, crítica e propositiva.
  • D.

    o dependente químico apresenta aspectos na avaliação, como: intolerância à frustração, falta de continuidade nas ações, inexistência de projetos de vida, ansiedade, dentre outros.

  • E.

    a co-morbidade entendida como outros problemas associados (depressão, psicose, etc) não é incluída no programa de tratamento, por ser uma questão separada.