O termo paralisia cerebral refere-se a um conjunto de afecções, que atinge o sistema nervoso imaturo, da fase embrionária até dois anos. Em relação a esse quadro, é INCORRETO afirmar que

  • A.

    o quadro instalado é não progressivo, embora freqüentemente mutável, de distúrbios motores (tônus e postura) secundários à lesão do cérebro em desenvolvimento.

  • B.

    as causas da paralisia cerebral são de origem pré-natal (infecções congênitas), peri-natal (encefalopatia hipóxica-isquêmica) ou pós-natal (meningoencefalites). No Brasil, as causas per-natais são as mais freqüentes.

  • C.

    é classificada de acordo com o tipo e a distribuição do comprometimento: espástico (sistema piramidal), extrapiramidal (dos núcleos de base), atáxico (cerebelo) misto (mais de um tipo).

  • D.

    o déficit cognitivo acomete de 50 a 60% na paralisia cerebral, gerando limitações graves na capacidade de agir, de realizar atividades práticas do cotidiano. Essas alterações não interferem na evolução motora da criança.

  • E.

    o conhecimento da idade de aquisição das etapas motoras auxilia a determinar o potencial de deambulação da criança espástica, em que se observam as reações de proteção perante desequilíbrio na posição ortostática.