A insuficiência cardíaca (IC) é uma das doenças cardíacas que mais comprometem a funcionalidade e a qualidade de vida do sujeito. Dessa forma, são ações do terapeuta ocupacional com o paciente com IC, exceto:
  • A. Orientação treino e adaptação das atividades cotidianas, a fim de minimizar as limitações decorrentes dos processos da doença e da terapêutica proposta, objetivando a conservação de energia e a proteção articular.
  • B. Desenvolvimento e promoção de ações e atividades preventivas, educativas e reabilitadoras, para o incremento da qualidade de vida e da capacidade funcional.
  • C. Prescrição de equipamentos adaptativos e tecnologias assistivas para anular a realização de atividades que piorem a qualidade de vida e a capacidade funcional.
  • D. Reorganizar o cotidiano com retomada da vida ativa e significativa adequadas ao estádio da doença, prognóstico, consumo energético e limitações presentes.
  • E. Discussão de projetos de vida e perspectivas futuras para a reflexão sobre a possibilidade de realização ou não em função de reais condições físicas, psicossociais e espirituais, para que haja tempo de realizar mudanças que permitam a realização desses desejos e planos.