Em cuidados paliativos, é fundamental aos profissionais da equipe multiprofissional que se lembrem do direito à comunicação honesta e verdadeira, pois sem informações sobre a sua doença e prognóstico, não podem participar de seu próprio plano terapêutico, não podem dar seu consentimento informado para o tratamento e não podem replanejar a própria vida e de sua família. Sendo assim, na avaliação do desempenho ocupacional:
  • A. Deve-se avaliar o contexto que está inserido e, por estar no hospital, devemos avaliar apenas sua rotina intrahospitalar.
  • B. Deve-se avaliar o paciente de forma integral, seus contextos, desejos, medos, ou seja, como ator de suas ações, sem considerar sua família e o seu contexto anterior.
  • C. Deve-se avaliar a inserção do paciente em sua vida cotidiana sem considerar seu adoecimento e sua interferência na rotina.
  • D. Deve-se avaliar a unidade família e paciente de maneira integral, seus contextos, crenças, rotinas, desejos, medos, atividades significativas, perdas, antes e após o adoecimento do paciente.
  • E. Deve-se avaliar apenas os aspectos espirituais e emocionais.