Língua Portuguesa Interpretação de Texto

Atenção: Considere o texto abaixo para responder às questões de números 6 a 10. 

Ilusões do mundo 

     Afinal, é mesmo assim: quase sempre nos iludimos. Aquelas nuvens que me pareciam tão de passagem reuniram-se em grupos compactos e prepararam um pequeno dilúvio sobre estes vales de Lindoia. Assim, os forasteiros, surpreendidos, ficaram privados de seus passeios, e as crianças, em turbilhão, começaram a aparecer por baixo de mesas. E foi por isso que os salões do hotel se viram repletos de alaridos. 
     Imagina-se que deva ser penoso para um turista ver-se de repente privado das alegrias do ar livre. Mas as virtudes destas águas de Lindoia são tamanhas que aqui ninguém se perturba com os contratempos. Benditas águas... Benditas não só por esse otimismo que propiciam como pelas curas reais que se lhes atribuem. Este conta que se achava repleto de cálculos e agora está livre deles. O que se amofinava com as suas alergias, já nem se lembra mais delas. Tudo graças a copinhos de água, a banhos de imersão e a não sei quantas outras modalidades de aplicações. 
     Aprecio essas maravilhas que me são referidas, mas na verdade o que mais me impressiona é o bom humor que observo em redor de mim. Se as pessoas esbarrarem umas nas outras, cometerem, enfim, esses pequenos desatinos que se observam no convívio dos hotéis, há uma cordialidade generalizada que arredonda as arestas da agressividade. 
     Acontece, porém, que encontro um sábio que anda perdido sob estas árvores. E o sábio não participa do otimismo geral. O sábio está desgostoso com os apartamentos que já se vão acumulando neste lugar de fontes privilegiadas. Ele vê as coisas em profundidade, e suas previsões são desanimadoras. A bacia destas águas está ameaçada pelas construções que vão sendo feitas indiscriminadamente. A floresta primitiva está quase desaparecida, e não está sendo recomposta, para a devida proteção dos mananciais. Os sábios são, como os artistas, quase sempre melancólicos. Porque avistam mais longe, porque antes que as coisas aconteçam já estão padecendo com as suas consequências... O sábio amava as águas miraculosas. Estava sofrendo por elas. Era a única pessoa triste, no meio de tanto bom humor. Mas era a pessoa mais esclarecida. E, por sua causa, e por sua sapiência, aquele paraíso me pareceu precário, e fiquei também inclinada sobre Lindoia, carpindo, desde já, a possibilidade do seu desaparecimento...  

                                               (Adaptado de: MEIRELES, Cecília. Ilusões do mundo. São Paulo: Global Editora, 2014, 1ª edição digital)

Considerado o contexto, está correto o que se afirma em:

  • A.

    Suprimindo-se o sinal de dois-pontos, sem prejuízo para o sentido original, o trecho Afinal, é mesmo assim: quase sempre nos iludimos (1º parágrafo) pode ser reescrito do seguinte modo: “Afinal, é mesmo assim, embora quase sempre nos iludamos”.

  • B.

    Para que se mantenha a correção gramatical, na frase Ele vê as coisas em profundidade, e suas previsões são desanimadoras (último parágrafo), a vírgula deve ser suprimida, uma vez que se encontra antes de conjunção aditiva.

  • C.

    A expressão sublinhada no trecho que arredonda as arestas da agressividade (3º parágrafo), adquire, no contexto, o mesmo sentido do verbo “prescindir”.

  • D.

    Os elementos sublinhados em Acontece, porém, que encontro um sábio que anda perdido sob estas árvores (último parágrafo) são ambos pronomes que se referem a “sábio”.

  • E.

    No trecho Benditas não só por esse otimismo que propiciam como pelas curas reais que se lhes atribuem (2º parágrafo), o elemento sublinhado pode ser corretamente substituído por “a elas”.