Língua Portuguesa Compreensão e Interpretação de Texto Reescrita de frases e parágrafos do texto

Considerando o fragmento abaixo, transcrito do texto 3, assinale a alternativa que apresenta uma paráfrase que não altera o sentido do trecho.

“– Agradeço-lhe a permissão para falar errado que mas dás. Mas não posso mais dizer-lo-te o que dizer-te-ia.

– Por quê?

– Porque, com todo este papo, esqueci-lo.” (linhas 33-36)

  • A.

    – Sou lhe grato por me conceder a licença para usar a forma padrão da língua. Contudo, estou incapacitado de dar continuidade ao que eu estava falando.

    – Por qual motivo?

    – Pelo motivo de, com essa digressão, o conteúdo da conversa ter fugido à minha memória.

  • B.

    – Sou profundamente agradecido a ti por me autorizar a usar a língua em consonância com a norma padrão. Todavia, lamento informar que não disponho mais de capacidade para dar sequência à conversa.

    – Por qual finalidade?

    – Por ter esquecido o que iria dizer depois de tanta conversa sobre outro assunto.

  • C.

    – Agradeço a você a súplica para violar as regras da norma padrão da língua. Apesar disso, não disponho de habilidade para comunicar o que pretendia.

    – Em vista do quê?

    – Em vista de termos uma conversa vasta sobre como falar, o que me fez esquecer o que falar.

  • D.

    – Eu dou graças a você por ter me conduzido a usar a variante coloquial da língua. Mesmo assim, tenho que informar que vou interromper nossa conversa neste momento.

    – Devido a quê?

    – Devido ao fato de eu não ter como falar o que iria falar depois do que conversamos.

  • E.

    – Eu agradeço a você a autorização que estás me concedendo para fazer uso da língua em desacordo com a norma culta. Entretanto, não tenho mais capacidade de comunicar o que pretendia.

    – Por qual razão?

    – Pelo fato de eu não lembrar mais depois dessa longa digressão.