Questões de Concurso de Relação letra-fonema - Língua Portuguesa

Ver outros assuntos dessa disciplina Navegar questão a questão

Questão de Concurso - 1203849

Concurso Auxiliar de Serviços Gerais - Cantineira 2018

Questão 8

Fundação CEFETMINAS (CEFETMINAS)

Nível Fundamental

Leia este texto para responder às questões de 4 a 10. 


O homem e a serpente 

Um camponês, que possuía 
uma alma ingênua e bondosa, 
encontrou na neve fria 
uma cobra venenosa 
que, enregelada, morria. 

Sem refletir, num repente, 
levou-a para sua casa 
e a aqueceu junto à brasa 
do seu fogão. A serpente 
renasceu rapidamente. 
E quando se sentiu forte 
atacou o camponês 
tentando pagar com a morte 
o bem que este lhe fez. 

Mas deu-se mal, desta vez: 
com dois golpes de facão, 
o homem a cortou em três! 

É certo fazer o bem 
mesmo sem olhar a quem? 
ou 
Fazer o bem está certo 
mas tendo um facão por perto! 

LA FONTAINE. Fábulas. Trad. Ferreira Gullar. 4. ed. Rio de Janeiro: Revan: 1999. p. 29- 30.

Nas estrofes do poema, as letras maiúsculas são usadas todas as vezes para iniciar

  • A.

    frases.

  • B.

    nomes de ruas.

  • C.

    versos.

  • D.

    nomes próprios.

Questão de Concurso - 1035305

Concurso UERGS Analista Técnico - Área Tradutor de Libras 2018

Questão 13

FUNDATEC Processos Seletivos (FUNDATEC)

Nível Superior

Assinale V, se verdadeiro, ou F, se falso diante dos parênteses, levando em conta o número de fonemas das palavras retiradas do texto.

( ) Em Biologia e carreiras, temos 8 fonemas em cada.

( ) Em prestigiadas e desencorajado, temos 12 fonemas em cada.

( ) Em interessados e escolaridade, temos 12 fonemas em cada.

( ) Em professor e encontrasse, temos 8 fonemas em cada.

( ) Em viveu e renda, temos 5 fonemas.

A ordem correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é:

  • A. V – V – F – V – F.
  • B. V – F – V – V – F.
  • C. F – V – V – F – V.
  • D. F– V – F – F – F.
  • E. V – F – F – V – V.

Questão de Concurso - 1191204

Concurso Motorista 2018

Questão 9

Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da UEL (FAUEL)

Nível Fundamental

Assinale a alternativa em que a mudança da letra configura em erro ortográfico e NÃO em uma nova palavra.

  • A.

    Assento - acento.

  • B. Projeto - progeto.
  • C.

    Cassar - caçar.

  • D.

    Tacha - taxa.

Questão de Concurso - 192423

Concurso TRE/AL Analista Judiciário - Área Odontologia 2004

Questão 23

Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB (CESPE/CEBRASPE)

Nível Superior

Julgue a grafia e a acentuação dos fragmentos de texto apresentados nos itens seguintes.

Desde o século primeiro da Era Cristã, estamos em boa companhia quando nos emparelhamos com os que defendem a leitura.

  • C. Certo
  • E. Errado

Questão de Concurso - 1148609

Concurso RIOSAÚDE Enfermeiro 2016

Questão 5

Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ

Nível Superior

O surpreendente “sucesso” dos sobreviventes

Muitos anos após o Holocausto, o governo israelense realizou um extenso levantamento para determinar quantos sobreviventes ainda estavam vivos. O estudo, de 1977, concluiu que entre 834 mil e 960 mil sobreviventes ainda viviam em todo o mundo. O maior número – entre 360 mil e 380 mil – residia em Israel. Entre 140 mil e 160 mil viviam nos Estados Unidos; entre 184 mil e 220 mil estavam espalhados pela antiga União Soviética; e entre 130 mil e 180 mil estavam dispersos pela Europa. Como foi que esses homens e mulheres lidaram com a vida após o genocídio? De acordo com a crença popular, muitos sofriam da chamada Síndrome do Sobrevivente ao Campo de Concentração. Ficaram terrivelmente traumatizados e sofriam de sérios problemas psicológicos, como depressão e ansiedade.

Em 1992, um sociólogo nova-iorquino chamado William Helmreich virou essa crença popular de cabeça para baixo. Professor da Universidade da Cidade de Nova York, Helmreich viajou pelos Estados Unidos de avião e automóvel para estudar 170 sobreviventes. Esperava encontrar homens e mulheres com depressão, ansiedade e medo crônicos. Para sua surpresa, descobriu que a maioria dos sobreviventes se adaptara a suas novas vidas com muito mais sucesso do que jamais se imaginaria. Por exemplo, apesar de não terem educação superior, os sobreviventes saíram-se muito bem financeiramente. Em torno de 34 por cento informaram ganhar mais de 50 mil dólares anualmente. Os fatores-chave, concluiu Helmreich, foram “trabalho duro e determinação, habilidade e inteligência, sorte e uma disposição para correr riscos.” Ele descobriu também que seus casamentos eram mais bem-sucedidos e estáveis. Aproximadamente 83 por cento dos sobreviventes eram casados, comparado a 61 por cento dos judeus americanos de idade similar. Apenas 11 por cento dos sobreviventes eram divorciados, comparado com 18 por cento dos judeus americanos. Em termos de saúde mental e bem-estar emocional, Helmreich descobriu que os sobreviventes faziam menos visitas a psicoterapeutas do que os judeus americanos.

“Para pessoas que sofreram nos campos, apenas ser capaz de levantar e ir trabalhar de manhã já seria um feito significativo”, escreveu ele em seu livro Against All Odds (Contra Todas as Probabilidades). “O fato de terem se saído bem nas profissões e atividades que escolheram é ainda mais impressionante. Os valores de perseverança, ambição e otimismo que caracterizavam tantos sobreviventes estavam claramente arraigados neles antes do início da guerra. O que é interessante é quanto esses valores permaneceram parte de sua visão do mundo após o término do conflito.” Helmreich acredita que algumas das características que os ajudaram a sobreviver ao Holocausto – como flexibilidade, coragem e inteligência – podem ter contribuído para seu sucesso posterior. “O fato de terem sobrevivido para contar a história foi, para a maioria, uma questão de sorte”, escreve ele. “O fato de terem sido bemsucedidos em reconstruir suas vidas em solo americano, não.”

A tese de Helmreich gerou controvérsia e ele foi atacado por diminuir ou descontar o profundo dano psicológico do Holocausto. Mas ele rebate essas críticas, observando que “os sobreviventes estão permanentemente marcados por suas experiências, profundamente. Pesadelos e constante ansiedade são a norma de suas vidas. E é precisamente por isso que sua capacidade de levar vidas normais – levantar de manhã, trabalhar, criar famílias, tirar férias e assim por diante – faz com que descrevê-los como ‘bem-sucedidos’ seja totalmente justificado”.

Em suas entrevistas individuais e seus levantamentos aleatórios em larga escala de sobreviventes ao Holocausto, Helmreich identificou dez características que justificavam seu sucesso na vida: flexibilidade, assertividade, tenacidade, otimismo, inteligência, capacidade de distanciamento, consciência de grupo, capacidade de assimilar o conhecimento de sua sobrevivência, capacidade de encontrar sentido na vida e coragem. Todos os sobreviventes do Holocausto compartilhavam algumas dessas qualidades, me conta Helmreich. Apenas alguns dos sobreviventes possuíam todas elas.

Adaptado de: SHERWOOD, Ben. Clube dos sobreviventes: Segredos de quem escapou de situações-limite e como eles podem salvar a sua vida. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012. p. 160-161.

A palavra Holocausto, nesse contexto, é necessariamente grafada com inicial maiúscula, por se referir a um fato histórico – massacre de judeus e outras minorias efetuado nos campos de concentração alemães durante a Segunda Guerra. É também obrigatório o emprego de inicial maiúscula no vocábulo destacado na seguinte frase:

  • A.

    A prevenção de doenças como dengue e mal de chagas é, geralmente, focada no combate ao vetor.

  • B.

    Sobreviventes de grandes tragédias podem vir a sofrer de síndrome do pânico.

  • C.

    A iniciativa de estudar sobreviventes veio de um sociólogo da cidade de Nova York.

  • D.

    O fim do Holocausto foi anunciado em 27 de janeiro de 1945.

Questão de Concurso - 1176493

Concurso PM/RJ Soldado da Polícia Militar 2014

Questão 8

EXATUS / EXATUSPR Promotores de Eventos e Consultorias

Nível Médio

Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas de linha contínua no texto:

  • A.

    pressiso - enchergar - finjindo.

  • B.

    precizo - enchergar - finjindo.

  • C.

    preciso - enxergar - fingindo.

  • D.

    pressizo - enxergar - fingindo.

Questão de Concurso - 912488

Concurso Assistente Legislativo 2017

Questão 3

Instituto AOCP (AOCP)

Nível Médio

O uso do termo “Gaivota” sempre com letra maiúscula ao longo do texto se deve ao fato de que
  • A. o autor busca, com isso, fazer uma conexão mais próxima entre o leitor e o animal
  • B. o autor quis dar destaque ao termo, apesar de não haver importância da referência ao animal para o texto.
  • C. há uma mudança no texto, em que, no início, as personagens eram duas pessoas e, a partir do segundo parágrafo, é uma gaivota.
  • D. o texto faz uma reflexão sobre a ação humana de viajar, porém comparando os seres humanos com gaivotas.
  • E. o autor utiliza o termo “Gaivota” como símbolo de imponência, o que se relaciona à forma como os seres humanos são tratados no texto.

Questão de Concurso - 1204479

Concurso Auxiliar Gráfico 2009

Questão 19

Instituto Vicente Nelson (IVIN)

Nível Fundamental

DEFESA DOS NARDONI PEDE JÚRI AO VIVO NA TV


1          O advogado Roberto Podval deverá pedir à Justiça que o julgamento de seus clientes, Alexandre Nardoni, 31, e Anna Carolina Jatobá, 26, seja televisionado em rede nacional. Nesta semana, ele já pediu que em sua argumentação possa também usar como prova nabo, cenoura, banana e alho. Os legumes, diz ele, serão usados para questionar o trabalho dos peritos.

2          Caso o juiz não aceite, a defesa ameaça se retirar do tribunal, forçando o adiamento do julgamento. O casal é acusado de assassinar Isabella Nardoni, filha de Alexandre, no dia 29 de março de 2008. Ambos negam. O julgamento está marcado para começar na próxima segunda.

3           Segundo o defensor, a possibilidade de falar na TV deverá atenuar a imagem negativa que o casal tem na sociedade.

4           Em entrevista à Folha ontem, ele também disse que, usando os alimentos durante o júri, espera conseguir provar que não há uma certeza sobre a existência de sangue no apartamento do casal, de onde a garota foi jogada do sexto andar.

5           O reagente Bluestar Forensic, usado pelo Instituto de Criminalística para detectar manchas de sangue, também age com diversos produtos, entre eles os legumes, frutas e temperos citados, conforme o advogado. A defesa entende que o reagente, que será levado ao julgamento, não é preciso para definir se as manchas encontradas no imóvel eram sangue.

6          O promotor que atua no caso, Francisco Cembranelli, diz que a tese é infundada. "Eu não acredito que as polícias científicas de todo o mundo usem um produto que dá positivo com qualquer gênero alimentício", disse à Folha na quarta.

7         "Por que o FBI [polícia federal americana] e a Scotland Yard [polícia britânica] usam? Restaria concluir que a Justiça americana já deve ter condenado muita gente dizendo que matou e espalhou sangue, quando era nabo da cozinheira descuidada." Ontem, ele não foi encontrado para comentar o pedido de televisionamento.

TALITA BEDINELLI & AFONSO BENITES da Folha de S.Paulo.


Houve erro na justificativa do emprego da letra inicial maiúscula em:

  • A.

    Segundo o defensor, a possibilidade de falar na TV deverá atenuar a imagem negativa que o casal tem. = numeral ordinal. (3º parágrafo)

  • B.

    Em entrevista à Folha ontem. = nome de um estabelecimento jornalístico. (4º parágrafo)

  • C.

    Francisco Cembranelli, diz que a tese é infundada. = nomes próprios. (6º parágrafo)

  • D.

    O reagente Bluestar Forensic. = substantivo próprio. (5º parágrafo)

  • E.

    A defesa entende que o reagente, que será levado ao julgamento. = após ponto. (5º parágrafo)

Questão de Concurso - 1204481

Concurso Auxiliar Gráfico 2009

Questão 20

Instituto Vicente Nelson (IVIN)

Nível Fundamental

DEFESA DOS NARDONI PEDE JÚRI AO VIVO NA TV


1          O advogado Roberto Podval deverá pedir à Justiça que o julgamento de seus clientes, Alexandre Nardoni, 31, e Anna Carolina Jatobá, 26, seja televisionado em rede nacional. Nesta semana, ele já pediu que em sua argumentação possa também usar como prova nabo, cenoura, banana e alho. Os legumes, diz ele, serão usados para questionar o trabalho dos peritos.

2          Caso o juiz não aceite, a defesa ameaça se retirar do tribunal, forçando o adiamento do julgamento. O casal é acusado de assassinar Isabella Nardoni, filha de Alexandre, no dia 29 de março de 2008. Ambos negam. O julgamento está marcado para começar na próxima segunda.

3           Segundo o defensor, a possibilidade de falar na TV deverá atenuar a imagem negativa que o casal tem na sociedade.

4           Em entrevista à Folha ontem, ele também disse que, usando os alimentos durante o júri, espera conseguir provar que não há uma certeza sobre a existência de sangue no apartamento do casal, de onde a garota foi jogada do sexto andar.

5           O reagente Bluestar Forensic, usado pelo Instituto de Criminalística para detectar manchas de sangue, também age com diversos produtos, entre eles os legumes, frutas e temperos citados, conforme o advogado. A defesa entende que o reagente, que será levado ao julgamento, não é preciso para definir se as manchas encontradas no imóvel eram sangue.

6          O promotor que atua no caso, Francisco Cembranelli, diz que a tese é infundada. "Eu não acredito que as polícias científicas de todo o mundo usem um produto que dá positivo com qualquer gênero alimentício", disse à Folha na quarta.

7         "Por que o FBI [polícia federal americana] e a Scotland Yard [polícia britânica] usam? Restaria concluir que a Justiça americana já deve ter condenado muita gente dizendo que matou e espalhou sangue, quando era nabo da cozinheira descuidada." Ontem, ele não foi encontrado para comentar o pedido de televisionamento.

TALITA BEDINELLI & AFONSO BENITES da Folha de S.Paulo.


Assinale a opção abaixo em que todas as palavras devem ser grafadas com letra inicial maiúscula:

  • A.

    peritos – advogado – juiz.

  • B.

    filha – casal – julgamento.

  • C.

    março – segunda – promotor.

  • D.

    folha (jornal) – isabella – nardoni.

  • E.

    carolina – alimento – reagente.

Questão de Concurso - 898112

Concurso DATAPREV Analista de Tecnologia da Informação 2006

Questão 6

Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB (CESPE/CEBRASPE)

Nível Superior

Julgue os itens a seguir, a respeito das idéias e das estruturas lingüísticas do texto.

Nas linhas de 13 a 27, a primeira palavra de cada ressalva pode ser reescrita com letra inicial maiúscula sem prejuízo da correção gramatical.
  • C. Certo
  • E. Errado