Questões de Concurso de Orações coordenadas assindéticas - Língua Portuguesa

Ver outros assuntos dessa disciplina Navegar questão a questão

Questão de Concurso - 1205469

Concurso Assistente Parlamentar 2018

Questão 14

Fundação de Apoio à Educação e Desenvolvimento Tecnológico de Minas Gerais (Fundação CEFETMINAS)

Nível Médio

As questões 11 a 15 se referem ao texto a seguir.


NOITES BRANCAS ELETRÔNICAS

Estudo comprova que usar aparelhos como smartphone e tablet em lugares escuros antes de dormir afeta a qualidade do sono dos adolescentes

Olhe por uma nesga da porta do quarto de seu filho: sete em cada dez adolescentes utilizam algum aparelho eletrônico antes de dormir. O impacto negativo desse hábito na qualidade do sono foi sempre uma certeza dos pais, mas não havia comprovação científica tão certeira. O maior estudo já conduzido sobre o assunto decretou o fim das dúvidas: sim, usar smartphones, tablets, laptops e videogames na escuridão do quarto antes de dormir afeta seriamente a qualidade do sono. Ficar conectado no breu até uma hora antes de dormir é ainda pior do que fazê-lo com a luz do quarto acesa. Cinco vezes pior.
O efeito prejudicial do uso de telas no escuro tem uma base fisiológica e outra comportamental. A fisiológica: quando a luz do quarto está apagada, a pupila dilata, e os olhos ficam ainda mais expostos à incidência da claridade proveniente das telas, chamada de “luz azul”. É um tipo de luz com grande interferência no organismo porque a cor azul inibe a produção do hormônio que induz o sono, a melatonina. Tal substância é essencial para regular o ciclo de sono e vigília. Agora, a base comportamental: a luz apagada “engana” os pais. O adolescente que fica no quarto escuro, em tese, não estaria mais acordado, e os pais não desconfiam que possa estar conectado nos aparelhos.
Um sono ruim afeta drasticamente a vida de qualquer pessoa. Na adolescência, o impacto no corpo é ainda maior. Nessa fase, a necessidade de sono vem, em especial, de uma mudança fundamental no organismo: a puberdade. Para que essa condição, caracterizada por uma revolução hormonal, se realize plenamente, é preciso que o adolescente tenha um sono reparador – do contrário, ele poderá sofrer prejuízos ao longo do desenvolvimento. A falta crônica de sono acarreta a liberação de mais cortisol, o hormônio associado ao stress. Com isso, eleva-se o risco de oscilações bruscas de humor, depressão e transtornos de ansiedade.

(Veja. São Paulo: Abril, edição 2626, ano 52. n. 12, 20 mar. 2019, p. 86-87. Adaptado.)

"As orações coordenadas podem estar simplesmente justapostas, isto é, colocadas uma ao lado da outra, sem qualquer conectivo que as enlace, e podem estar ligadas por uma conjunção coordenativa" (CUNHA & CINTRA, 2008, p.610.).


Diante do exposto, uma oração coordenada está corretamente identificada em:

  • A.

    O impacto no corpo é ainda maior.

  • B.

    Para que essa condição se realize plenamente.

  • C.

    Mas não havia comprovação científica tão certeira.

  • D.

    É preciso que o adolescente tenha um sono reparador.

  • E.

    Agora, a base comportamental: a luz apagada “engana” os pais.

Questão de Concurso - 989180

Concurso SES DF Técnico de Laboratório - Área Hematologia 2018

Questão 7

Instituto Americano de desenvolvimento (IADES)

Nível Médio

Quanto à sintaxe da oração, em “O sono é fundamental não apenas para garantir disposição no dia seguinte, mas também para assegurar uma mente saudável.” (linhas de 18 a 20), o trecho sublinhado consiste em oração coordenada
  • A. sindética adversativa.
  • B. assindética.
  • C. sindética aditiva.
  • D. sindética conclusiva.
  • E. sindética explicativa.

Questão de Concurso - 1138500

Concurso SEMEC Professor de Português - 6º ao 9º ano 2017

Questão 24

Núcleo de Concursos e Promoção de Eventos (NUCEPE/UESPI)

Nível Superior

Leia os seguintes fragmentos do texto A Mulher Madura.


I. É como um nadador principiante, faz muito barulho, joga muita água para os lados.


II. A mulher madura nada no tempo e flui com a serenidade de um peixe.


III. Seus olhos não violam as coisas, mas as envolvem ternamente. Sabem a distância entre seu corpo e o mundo.



Nos trechos as orações podem ser classificadas:


  • A.

    Assindética – sindética adversativa – sindética conclusiva.

  • B.

    Sindética aditiva – sindética aditiva – sindética conclusiva.

  • C.

    Sindética adversativa – sindética aditiva – sindética adversativa.

  • D.

    Assindética – sindética aditiva – sindética adversativa

  • E.

    Sindética conclusiva – sindética adversativa – sindética adversativa.

Questão de Concurso - 1178155

Concurso PM RJ Soldado da Polícia Militar 2009

Questão 27

Polícia Militar RJ (PM RJ)

Nível Médio

TEXTO I


QUE COISA!

Coisa é palavra-ônibus, de omnibus, em latim, democracia total: cabe tudo.

Na palavra coisa viajam todos os significados.

Coisa é tudo: é mistério e objeto, é invisível e visível, é lugar-comum, e devora.

As coisas nadam, crescem, vibram, voam, flutuam.

5 Alguma coisa acontece no meu coração.

Coisa é música aos ouvidos. Coisa é notícia. Coisa é causa de tudo e de nada. O Coisa-

-ruim é coisa do outro mundo. E deste também. Mas isso é coisa feita. Coisas do arco-

-da-velha. Coisa e tal e tal e coisa. São tantas coisinhas miúdas. Coisíssima nenhuma. A

coisa em si. Cada coisa em seu lugar. Não me venha com coisas. A coisa foi por água

10 abaixo. Coisa de louco!

Muitas vezes, ao falar, usamos a palavra coisa como uma coisa que substitui todas as

palavras. E o pior é que substitui mesmo. E pior ainda: todo mundo entende.

Na ausência da palavra exata, que ilumina como um holofote a coisa a ser nomeada,

usamos qualquer coisa no lugar dos outros nomes, como uma vela acesa no meio do

15 blecaute.

A iluminação é precária, mas, nas trevas da Idade Mídia (a coisa tá preta), é melhor

uma coisa do que nada. E, tipo assim, a coisa se metamorfoseia em todas as coisas, e

nossa preguiça verbal se sente recompensada. Há sempre uma coisa à mão para nos

salvar. Coisa serve para qualquer coisa.

20 Nada contra as coisas, ferozes amigas, mas é que as próprias coisas têm suas leis, e não

gostam de que abusemos delas.

A coisa funciona assim: a coisa aparece diante de nós, anônima, feia, bela, e não

sabemos (ou não queremos buscar) o nome da coisa. E aí, vem à nossa mente: que

coisa!

25 E a coisa se fez coisa.

O milagre da coisa. A multiplicação das coisas. O sermão da coisa. A coisa que sempre

volta. Um provérbio francês: “Quanto mais as coisas mudam mais permanecem as

mesmas”.

30 O paciente diz ao médico: — Doutor, não sei, mas estou sentindo uma coisa...

Coisa do destino.

Porque uma coisa é certa: uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Até que se

prove o contrário.

Mas esse papo meu tá qualquer coisa, de modo que, se for impossível dizer coisa com

coisa, não pense duas vezes: vote na coisa.

35 Seja com a coisa uma só coisa. Coisifique-se!

De repente mil coisas!

Gabriel Perissé. Retirado e adaptado de http://Kplus.cosmo.com.br/materia.asp?co=14&rv-Colunistas


As questões de 21 a 32 são relativas ao TEXTO I.

“As coisas nadam, crescem, vibram, voam, flutuam.” (l.4)

O período acima é composto por orações

  • A. coordenadas e subordinadas.
  • B. subordinadas substantivas.
  • C. coordenadas assindéticas e sindéticas.
  • D. coordenadas assindéticas..
  • E. subordinadas adverbiais.