Língua Portuguesa Morfossintaxe do período

Texto para as questões de 9 a 11 

1          Por muitos anos, pensávamos compreender o que era

     interpretado, o que era uma interpretação; inquietávamo-nos,

     eventualmente, a propósito de uma dificuldade em particular, 

4   ocorrida no trabalho de interpretação. Nada mais. Atualmente,

     não temos certeza, já não estamos tão certos. O conflito de

     ideologias fez com que indagássemos sobre o que quer dizer 

7   uma interpretação e duvidássemos sobre o que estávamos

     fazendo ou teríamos de fazer.

           Em vez desse tratamento que era dado à questão da 

10 interpretação, a Teoria Crítica ou o Criticismo insiste em

     trabalhar com as palavras que estão inscritas em determinada

     página.

Célio Garcia. Graças à letra “soft”, a estrutura “hard” dura. In: Hugo Mari et al. (Org.). Estruturalismo, memória e repercussões. Belo Horizonte: UFMG/Diadorim, p. 192 (com adaptações).

Preserva-se a correção gramatical e a coerência das ideias do texto

  • A.

    ao se deslocar o pronome átono em "inquietávamo-nos" (l.2) para antes do verbo, escrevendo nos inquietava

  • B.

    ao se inserir que tenha sido antes de "ocorrida" (l.4).

  • C.

    ao se substituir "fez com que indagássemos" (l.6) por fez-nos indagarem.

  • D.

    ao se retirar "que era" (l.9).