Língua Portuguesa Morfossintaxe do período

A língua escrita, como a falada, compreende diferentes níveis, de acordo com o uso que dela se faça. Por exemplo, em uma carta a um amigo, podemos nos valer de determinado padrão de linguagem que incorpore expressões extremamente pessoais ou coloquiais; em um parecer jurídico, não se há de estranhar a presença do vocabulário técnico correspondente. Nos dois casos, há um padrão de linguagem que atende ao uso que se faz da língua e à finalidade com que a empregamos. O mesmo ocorre com os textos oficiais: por seu caráter impessoal, por sua finalidade de informar com o máximo de clareza e concisão, eles requerem o uso do padrão culto da língua. Há consenso de que o padrão culto é aquele em que:

  • A.

    não se observam as regras da gramática formal e não se emprega um vocabulário comum ao conjunto dos usuários do idioma;

  • B.

    observam-se as regras da gramática informal e emprega-se um vocabulário incomum ao conjunto dos usuários do idioma;

  • C.

    não se observam as regras da gramática informal e emprega-se um vocabulário incomum ao conjunto dos usuários do idioma;

  • D.

    não se observam as regras da gramática informal e não se emprega um vocabulário incomum ao conjunto dos usuários do idioma;

  • E.

    observam-se as regras da gramática formal e emprega-se um vocabulário comum ao conjunto dos usuários do idioma.