Questões de Concurso de Uso dos dois-pontos - Língua Portuguesa

Ver outros assuntos dessa disciplina Navegar questão a questão

Questão de Concurso - 1210354

Concurso CRN 2ª Região Nutricionista Fiscal 2019

Questão 9

Instituto Quadrix

Nível Superior

No que concerne às estruturas linguísticas e gramaticais do texto, julgue os itens de 7 a 16.

Mantém a correção gramatical a substituição, por sinal de dois-pontos, do ponto continuativo empregado na linha 4, anteriormente a “Alimentos” (linha 5), com o devido ajuste de letra maiúscula inicial para minúscula.

  • C. Certo
  • E. Errado

Questão de Concurso - 1185245

Concurso TJ/PA Auxiliar Judiciário 2019

Questão 8

Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB (CESPE/CEBRASPE)

Nível Médio

Na linha 19 do texto CG4A1-II, os dois-pontos foram utilizados para introduzir uma

  • A.

    ressalva.

  • B.

    enumeração.

  • C.

    enunciação.

  • D.

    hipótese.

  • E.

    explicação.

Questão de Concurso - 1206897

Concurso

Questão 4

Nível


A partir dos aspectos linguísticos e das ideias do Texto 1, julgue os itens a seguir.

Preserva-se a correção gramatical e as relações de sentido, caso se retire os parênteses das linhas 9 e 10 e se coloque dois-pontos logo após “país” (l. 9).

  • C. Certo
  • E. Errado

Questão de Concurso - 1049721

Concurso CRM Assistente Administrativo 2019

Questão 8

Instituto Quadrix

Nível Médio

Em relação ao texto e a seus aspectos linguísticos, julgue os itens de 1 a 8.

O sinal de dois pontos empregado após “enfrentar” (linha 49) introduz um comentário que contradiz a afirmação anterior.
  • C. Certo
  • E. Errado

Questão de Concurso - 1175710

Concurso Guarda Civil 2019

Questão 14

(SELECON)

Nível Médio

Leia o texto a seguir para responder às questões de 1 a 15.


Texto I


Direito humano à alimentação adequada e soberania alimentar


          O direito humano à alimentação adequada está contemplado no artigo 25 da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 e sua definição foi ampliada em outros dispositivos do Direito Internacional, como o artigo 11 do Pacto de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais e o Comentário Geral nº 12 da ONU. No Brasil, resultante de amplo processo de mobilização social, em 2010 foi aprovada a Emenda Constitucional nº 64, que inclui a alimentação no artigo 6º da Constituição Federal. No entanto, isso não necessariamente significa a garantia da realização desse direito na prática, o que permanece como um desafio a ser enfrentado.

          O direito humano à alimentação adequada consiste no acesso físico e econômico de todas as pessoas aos alimentos e aos recursos, como emprego ou terra, para garantir esse acesso de modo contínuo. Esse direito inclui a água e as diversas formas de acesso à água na sua compreensão e realização. Ao afirmar que a alimentação deve ser adequada, entende-se que ela seja adequada ao contexto e às condições culturais, sociais, econômicas, climáticas e ecológicas de cada pessoa, etnia, cultura ou grupo social.

          Para garantir a realização do direito humano à alimentação adequada, o Estado brasileiro tem as obrigações de respeitar, proteger, promover e prover a alimentação da população. Por sua vez, a população tem o direito de exigir que eles sejam cumpridos, por meio de mecanismos de exigibilidade. Exigibilidade é o empoderamento dos titulares de direitos para exigir o cumprimento dos preceitos consagrados nas leis internacionais e nacionais referentes ao direito humano à alimentação adequada no âmbito dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, nas esferas federal, estaduais e municipais. Esses meios de exigibilidade podem ser administrativos, políticos, quase judiciais e judiciais.

          Durante várias décadas, por influência dos países centrais, o Brasil e outros países em desenvolvimento procuraram responder ao problema da fome com a introdução da chamada revolução verde, que foi uma espécie de campanha de modernização da agricultura mediante a introdução de um pacote tecnológico baseado no uso intensivo de máquinas, fertilizantes químicos e agrotóxicos para aumentar a produção e, consequentemente, a humanidade acabaria com a fome. Introduziu-se, assim, um modelo agroexportador centrado nas monoculturas, que favoreceu a concentração das empresas, cada vez mais internacionalizadas, de modo que atualmente 30 conglomerados transnacionais controlam a maior parte da produção, da industrialização e do comércio agroalimentar no mundo, violando a soberania alimentar.

          Muitos países, regiões e municípios, também dentro do Estado brasileiro, vivem sem soberania alimentar e outros tantos vivem com sua soberania alimentar ameaçada pelos fatores supramencionados. Nesse contexto, a soberania alimentar significa o direito dos países definirem suas próprias políticas e estratégias de produção, distribuição e consumo de alimentos que garantam a alimentação para a população, respeitando as múltiplas características culturais dos povos em suas regiões.

          Entre os desafios para a garantia do direito humano à alimentação adequada e da soberania e segurança alimentar e nutricional no Semiárido, encontram-se: a necessidade de respeitar a diversidade cultural e as formas de organização e produção, de modo que as comunidades tenham sua autonomia para produzir e consumir seus alimentos; e a importância de avançar na realização da reforma agrária , na regularização fundiária e no reconhecimento dos territórios para que os povos tenham maior autonomia para produzir seus alimentos.

Irio Luiz Conti

(integra o Consea Nacional e é membro da Fian Internacional.) (Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/consea/comunicacao/ artigos/2014/direito-humano-a-alimentacao-adequada-esoberania- alimentar)


No último parágrafo, o emprego dos dois-pontos tem o objetivo de:

  • A.

    delimitar aspecto mencionado

  • B.

    reparar afirmação contundente

  • C.

    contrapor exemplos indicados

  • D.

    comparar vertentes discutidas

Questão de Concurso - 1214243

Concurso

Questão 5

Nível

Não que seja um índice para se aplaudir em cena aberta: foram 705 homicídios, uma média de um assassinato a cada duas horas. (linhas 2 e 3). O segmento após os dois-pontos, em relação ao anterior o

  • A. explicita.
  • B. enumera.
  • C. explica.
  • D. exemplifica.
  • E. expande.

Questão de Concurso - 1051537

Concurso PGE Analista Judiciário de Procuradoria 2018

Questão 17

Centro de Seleção e de Promoção de Eventos UnB (CESPE/CEBRASPE)

Nível Superior

Com relação às ideias e aos aspectos linguísticos do texto precedente, julgue os itens que se seguem.

Na linha 12, os dois-pontos foram empregados com a finalidade de introduzir uma síntese das ideias enunciadas no primeiro parágrafo do texto.
  • C. Certo
  • E. Errado

Questão de Concurso - 950853

Concurso CRF Farmacêutico Fiscal 2017

Questão 3

Instituto Quadrix

Nível Superior

Analise o uso de dois-pontos nos trechos a seguir.

I. "Nada de errado com isso, e tem dado certo: em 2008, ela movimentou US$ 725 bilhões [...]."

II. "É o que Fernando chama de marketing “sustentável”: mais difícil de ser copiado e com resultado garantido e prolongado."

Sobre o uso em cada um deles, pode-se afirmar corretamente que:

  • A. tanto em I, quanto em II, propositalmente, gera quebra do paralelismo sintático, para criar um efeito poético.
  • B. em I, apresenta uma caracterização, enquanto, em II, introduz uma concessão.
  • C. em I, apresenta uma causa, enquanto, em II, introduz uma oposição.
  • D. em I, introduz uma contradição, enquanto, em II, apresenta uma explicação.
  • E. em I, introduz uma explicação, enquanto, em II, apresenta uma caracterização.

Questão de Concurso - 967964

Concurso SEGEP Auxiliar de Fiscalização Agropecuária 2017

Questão 3

Fundação Carlos Chagas (FCC)

Nível Médio

Considere o texto abaixo para responder às questões de números 1 a 6.

História do Maranhão

Na época do descobrimento do Brasil, a região do atual Estado do Maranhão era povoada por diferentes tribos indígenas. Os primeiros habitantes desse Estado faziam parte de dois grupos: os tupis e os jês. Os tupis habitavam o litoral: já os jês habitavam o interior. Com o tempo, no século XVIII, diversas tribos do Piauí entraram no Maranhão, tentando evitar que os brancos as caçassem.

Não existem relatos feitos com exatidão a respeito das primeiras expedições que exploraram a costa maranhense. Reza a crença que, em 1500, o espanhol Vicente Yáñez Pinzón já navegara por toda a costa norte do Brasil. A viagem feita por Pinzón na região mencionada teve origem em Pernambuco e destino à foz do rio Amazonas.

A partir de 1524, os franceses começaram a frequentar o litoral do Maranhão. A explicação para o motivo dessa frequência é que o litoral desse Estado havia sido esquecido pelos portugueses. Lá os franceses trocavam com os indígenas produtos da região por objetos que traziam da Europa.

Em 1531, Martim Afonso de Sousa chegou ao Brasil. Esse homem foi o comandante da primeira expedição que colonizou a região. O militar e nobre português exigiu que Diogo Leite fosse responsável pela exploração do litoral norte. Diogo Leite aproximouse da foz do rio Gurupi, que atualmente serve de divisa entre os Estados do Maranhão e do Pará. Essa divisa ficou por muito tempo conhecida como "abra de Diogo Leite".

Em 1534, quando Dom João III dividiu a Colônia Portuguesa no Brasil em Capitanias Hereditárias, os portugueses ainda não haviam chegado a colonizar o Maranhão. Um ano depois, o monarca português concedeu a terra a três fidalgos que eram homens de sua confiança. Foram eles: João de Barros, Fernando Álvares de Andrade e Aires da Cunha. Ambos os primeiros idealizaram seu plano para a tomada de posse da capitania. Os dois donatários encarregaram sua execução a Aires da Cunha. Aires da Cunha veio ao Brasil, no mesmo ano da doação. Durante a viagem, a frota afundou nas costas maranhenses devido a violento temporal, e o capitão faleceu, assim como a maior parte dos integrantes. Os sobreviventes fundaram um núcleo de povoamento denominado Nazaré e passaram a explorar o terreno através dos acidentes geográficos fluviais. Entretanto, os indígenas não lhes facilitaram essa ocupação. Do núcleo de povoamento, não restou nada e, quando essa povoação foi destruída, os portugueses abandonaram-na.

(Disponível em: www.cocaisnoticias.com.br)

 Os primeiros habitantes desse Estado faziam parte de dois grupos: os tupis e os jês. (1o parágrafo)

Os dois-pontos no trecho acima introduzem duas noções, simultaneamente, denominadas

  • A. enumeração e exemplificação.
  • B. enumeração e justificativa.
  • C. exemplificação e justificativa.
  • D. explicação e exclusão.
  • E.

    exclusão e enumeração.

Questão de Concurso - 1154183

Concurso UFU Mestre de Edificações e Infraestrutura 2019

Questão 4

Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Nível Médio

[...] Nossa memória não se comporta como a de uma câmara digital, em que tudo fica gravado, fica facilmente acessível quando bem se entende. Ela está mais para uma página de Wikipédia, que pode ser editada livremente. É o principal: ela é colaborativa. Você não é o único editor – sua memória enciclopédica também pode ser editada pelos outros.

A analogia acima é de Elizabeth Loftus, psicóloga americana que conduziu o primeiro teste de destaque envolvendo a implantação de memórias falsas em 1995. A ideia de Loftus era descobrir, nos experimentos, ser era possível convencer alguém de algo que nunca viveu só na base da lábia. Algo no estilo do filme A origem, só que com ela mesma assumindo o lugar de Leonardo DiCaprio.

A manipulação deu certo: (1) uma em cada quatro pessoas testadas saíram dos encontros acreditando piamente ter memórias sobre os mais bizarros acontecimentos. [...] Superinteressante. Ed. 398, janeiro 2019.

Assinale a alternativa cuja expressão, ao substituir os dois pontos (1), altera a relação de sentido entre as proposições.

  • A.

    Visto que

  • B.

    Uma vez que

  • C.

    Apesar de que

  • D.

    Posto que