Pedagogia Educação e Psicologia (Psicopedagogia) Papel da afetividade na aprendizagem

Marie-Nathalie Beaudoin e Maureen Taylor identificam que os problemas com desrespeito nas escolas ocorrem no contexto dos relacionamentos, em sala de aula ou em outras áreas públicas, e em grande parte das interações entre os alunos. As autoras apresentam como prática inovadora para aplicação em sala de aula o projeto Bicho-que-Irrita, que tem por objetivo

  • A.

    auxiliar o professor a lidar com alunos que apresentam comportamento desviante em que o desrespeito e o bullying na sala de aula e na escola predominam. Trata-se de um guia de procedimentos para ser aplicado a situações diversas, utilizando as técnicas da terapia narrativa.

  • B.

    diminuir a ocorrência do desrespeito e do bullying na sala de aula e na escola. Iniciar os alunos em práticas de tolerância orientadas por exercícios diários, vivências de participação qualificada e produção de um conjunto de normas de convivência e sanções correspondentes.

  • C.

    instituir práticas de pacificação dos conflitos entre os alunos, especialmente o desrespeito e o bullying na sala de aula e na escola. Partindo de um conjunto de atividades e experiências de mediação de conflitos envolvendo os estudantes, formar grupo de pacificadores para atuarem como mediadores nas salas de aula e na escola.

  • D.

    conscientizar e preparar estudantes e professores para interferir no problema do desrespeito e do bullying na sala de aula e na escola. Programa que integra o currículo escolar como trabalho transversal, em todas as disciplinas, com aulas temáticas em que o desrespeito e o bullying são tratados. Ao final os participantes formulam um contrato de convívio e assumem suas responsabilidades diante do acordo desenvolvido durante o projeto.

  • E.

    criar um senso de colaboração, de vínculo, de apreciação e de tolerância com a introdução de práticas respeitosas a partir de um grupo de alunos. Utilizando programa de atividades semanais, trata do problema do desrespeito e do bullying de modo a poder examiná-los sem atribuir culpa a alguém ou emitir juízo a respeito de qualquer pessoa.