Questões de Concursos Câmara de Monte Alegre - PA (Câmara de Monte Alegre/PA)

Ver página Câmara de Monte Alegre/PA Navegar questão a questão

Questão de Concurso - 1197887

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 1

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 1 A 5.


Tempos de resiliência


JORGE BARUDY LABRIN


1É a palavra da moda empregada por políticos,

2esportistas e gurus da autoajuda

3Resiliência designa a capacidade humana de superar traumas e feridas.

4Não é uma receita para a felicidade, mas uma atitude vital positiva que estimula a

5reparar os danos sofridos. As experiências de órfãos, crianças maltratadas ou

6abandonadas; de mulheres que sofreram com a violência machista de seus

7maridos; de vítimas de guerras, de tortura, de catástrofes naturais, ou de doenças

8permitiram constatar que muitas pessoas não se prendem a seus traumas a vida

9toda, mas contam com esse antídoto. Só precisam encontrar ambientes

10interpessoais e sociais que as ajudem a conhecer o valor terapêutico da

11solidariedade e do amor, porque são reconhecidos como afetados por

12experiências injustas e degradantes. Porque a resiliência dificilmente pode brotar

13na solidão. A confiança e a solidariedade de outras pessoas é condição

14imprescindível para que qualquer pessoa ferida por uma experiência traumática

15recupere a confiança em si mesma e na condição humana.

16O termo tem sua origem na Física. É a capacidade que um material tem

17de resistir a um impacto e recuperar sua forma original. Uma bola de borracha é

18um objeto resiliente, ao contrário do vidro de uma janela que, diante de um

19impacto, se estilhaça e não recupera sua forma anterior. Este fenômeno físico

20serviu de metáfora para o ser humano, que pode receber o impacto de um trauma

21e seguir adiante sem se destruir.


Disponível em:< http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/22/ciencia/1458660245_345067.html?rel=mas >.

Acesso em 18 abr. 2016.

O texto de Jorge Barudy Labrin apresenta uma

  • A.

    explicação a respeito do sentido do termo resiliência.

  • B.

    prescrição de comportamentos necessários à resiliência.

  • C.

    descrição do perfil de pessoas capazes de superar traumas.

  • D.

    argumentação em torno da tese de que vivemos tempos de resiliência.

Questão de Concurso - 1197889

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 2

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 1 A 5.


Tempos de resiliência


JORGE BARUDY LABRIN


1É a palavra da moda empregada por políticos,

2esportistas e gurus da autoajuda

3Resiliência designa a capacidade humana de superar traumas e feridas.

4Não é uma receita para a felicidade, mas uma atitude vital positiva que estimula a

5reparar os danos sofridos. As experiências de órfãos, crianças maltratadas ou

6abandonadas; de mulheres que sofreram com a violência machista de seus

7maridos; de vítimas de guerras, de tortura, de catástrofes naturais, ou de doenças

8permitiram constatar que muitas pessoas não se prendem a seus traumas a vida

9toda, mas contam com esse antídoto. Só precisam encontrar ambientes

10interpessoais e sociais que as ajudem a conhecer o valor terapêutico da

11solidariedade e do amor, porque são reconhecidos como afetados por

12experiências injustas e degradantes. Porque a resiliência dificilmente pode brotar

13na solidão. A confiança e a solidariedade de outras pessoas é condição

14imprescindível para que qualquer pessoa ferida por uma experiência traumática

15recupere a confiança em si mesma e na condição humana.

16O termo tem sua origem na Física. É a capacidade que um material tem

17de resistir a um impacto e recuperar sua forma original. Uma bola de borracha é

18um objeto resiliente, ao contrário do vidro de uma janela que, diante de um

19impacto, se estilhaça e não recupera sua forma anterior. Este fenômeno físico

20serviu de metáfora para o ser humano, que pode receber o impacto de um trauma

21e seguir adiante sem se destruir.


Disponível em:< http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/22/ciencia/1458660245_345067.html?rel=mas >.

Acesso em 18 abr. 2016.

Todos os fatos abaixo são citados no texto como causas de traumas vivenciados por pessoas resilientes, exceto

  • A.

    catástrofes naturais.

  • B.

    ofensa e abandono na infância.

  • C.

    tortura de guerra e violência doméstica.

  • D.

    falta de confiança e traição dos maridos.

Questão de Concurso - 1197891

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 3

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 1 A 5.


Tempos de resiliência


JORGE BARUDY LABRIN


1É a palavra da moda empregada por políticos,

2esportistas e gurus da autoajuda

3Resiliência designa a capacidade humana de superar traumas e feridas.

4Não é uma receita para a felicidade, mas uma atitude vital positiva que estimula a

5reparar os danos sofridos. As experiências de órfãos, crianças maltratadas ou

6abandonadas; de mulheres que sofreram com a violência machista de seus

7maridos; de vítimas de guerras, de tortura, de catástrofes naturais, ou de doenças

8permitiram constatar que muitas pessoas não se prendem a seus traumas a vida

9toda, mas contam com esse antídoto. Só precisam encontrar ambientes

10interpessoais e sociais que as ajudem a conhecer o valor terapêutico da

11solidariedade e do amor, porque são reconhecidos como afetados por

12experiências injustas e degradantes. Porque a resiliência dificilmente pode brotar

13na solidão. A confiança e a solidariedade de outras pessoas é condição

14imprescindível para que qualquer pessoa ferida por uma experiência traumática

15recupere a confiança em si mesma e na condição humana.

16O termo tem sua origem na Física. É a capacidade que um material tem

17de resistir a um impacto e recuperar sua forma original. Uma bola de borracha é

18um objeto resiliente, ao contrário do vidro de uma janela que, diante de um

19impacto, se estilhaça e não recupera sua forma anterior. Este fenômeno físico

20serviu de metáfora para o ser humano, que pode receber o impacto de um trauma

21e seguir adiante sem se destruir.


Disponível em:< http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/22/ciencia/1458660245_345067.html?rel=mas >.

Acesso em 18 abr. 2016.

Na enumeração dos traumas que as pessoas resilientes seriam, em tese, capazes de superar, o vocábulo que é omitido no início de cada elemento citado é

  • A.

    danos.

  • B.

    feridas.

  • C.

    traumas.

  • D.

    experiências.

Questão de Concurso - 1197892

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 4

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 1 A 5.


Tempos de resiliência


JORGE BARUDY LABRIN


1É a palavra da moda empregada por políticos,

2esportistas e gurus da autoajuda

3Resiliência designa a capacidade humana de superar traumas e feridas.

4Não é uma receita para a felicidade, mas uma atitude vital positiva que estimula a

5reparar os danos sofridos. As experiências de órfãos, crianças maltratadas ou

6abandonadas; de mulheres que sofreram com a violência machista de seus

7maridos; de vítimas de guerras, de tortura, de catástrofes naturais, ou de doenças

8permitiram constatar que muitas pessoas não se prendem a seus traumas a vida

9toda, mas contam com esse antídoto. Só precisam encontrar ambientes

10interpessoais e sociais que as ajudem a conhecer o valor terapêutico da

11solidariedade e do amor, porque são reconhecidos como afetados por

12experiências injustas e degradantes. Porque a resiliência dificilmente pode brotar

13na solidão. A confiança e a solidariedade de outras pessoas é condição

14imprescindível para que qualquer pessoa ferida por uma experiência traumática

15recupere a confiança em si mesma e na condição humana.

16O termo tem sua origem na Física. É a capacidade que um material tem

17de resistir a um impacto e recuperar sua forma original. Uma bola de borracha é

18um objeto resiliente, ao contrário do vidro de uma janela que, diante de um

19impacto, se estilhaça e não recupera sua forma anterior. Este fenômeno físico

20serviu de metáfora para o ser humano, que pode receber o impacto de um trauma

21e seguir adiante sem se destruir.


Disponível em:< http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/22/ciencia/1458660245_345067.html?rel=mas >.

Acesso em 18 abr. 2016.

Há uma referência metafórica ao termo “resiliência” no trecho

  • A.

    “contam com esse antídoto” (l. 9).

  • B.

    “O termo tem sua origem na Física” (l. 16).

  • C.

    “capacidade humana de superar traumas” (l. 3).

  • D.

    “Este fenômeno físico serviu de metáfora para o ser humano” (l. 19 e 20).

Questão de Concurso - 1197895

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 5

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 1 A 5.


Tempos de resiliência


JORGE BARUDY LABRIN


1É a palavra da moda empregada por políticos,

2esportistas e gurus da autoajuda

3Resiliência designa a capacidade humana de superar traumas e feridas.

4Não é uma receita para a felicidade, mas uma atitude vital positiva que estimula a

5reparar os danos sofridos. As experiências de órfãos, crianças maltratadas ou

6abandonadas; de mulheres que sofreram com a violência machista de seus

7maridos; de vítimas de guerras, de tortura, de catástrofes naturais, ou de doenças

8permitiram constatar que muitas pessoas não se prendem a seus traumas a vida

9toda, mas contam com esse antídoto. Só precisam encontrar ambientes

10interpessoais e sociais que as ajudem a conhecer o valor terapêutico da

11solidariedade e do amor, porque são reconhecidos como afetados por

12experiências injustas e degradantes. Porque a resiliência dificilmente pode brotar

13na solidão. A confiança e a solidariedade de outras pessoas é condição

14imprescindível para que qualquer pessoa ferida por uma experiência traumática

15recupere a confiança em si mesma e na condição humana.

16O termo tem sua origem na Física. É a capacidade que um material tem

17de resistir a um impacto e recuperar sua forma original. Uma bola de borracha é

18um objeto resiliente, ao contrário do vidro de uma janela que, diante de um

19impacto, se estilhaça e não recupera sua forma anterior. Este fenômeno físico

20serviu de metáfora para o ser humano, que pode receber o impacto de um trauma

21e seguir adiante sem se destruir.


Disponível em:< http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/22/ciencia/1458660245_345067.html?rel=mas >.

Acesso em 18 abr. 2016.

Uma das características formais da estrutura textual em que se enquadra o texto “Tempos de resiliência” é a presença de

  • A.

    marcas de subjetividade e de verbos de opinião.

  • B.

    indicadores de tempo e lugar e conectores cronológicos.

  • C.

    verbos no imperativo e expressões que exprimem a obrigação.

  • D.

    verbos no presente atemporal que expressam uma verdade geral.

Questão de Concurso - 1197899

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 6

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 6 A 10.


Em busca da resiliência


Roberto D’arte


1 Vivemos tempos difíceis em que os problemas de fundo emocional parecem

2 não poupar ninguém. Se deixar abater e fazer da própria existência um muro de

3 lamentações é uma ideia que me desagrada profundamente. Assim, prefiro acreditar

4 que os obstáculos existem não para barrar a nossa caminhada, mas para nos

5 lembrar que vencer significa estar também preparado para certos sacrifícios e para

6 muitos testes de resistência e determinação.

7 Não é nada fácil ser um resiliente, mas os especialistas dão algumas dicas

8 que podem ser um ponto de partida. Uma delas diz respeito à primeira reação que

9 se deve ter no instante em que surge a crise. É importante formular uma explicação

10 para o que está ocorrendo, analisar as circunstâncias, a sequência dos fatos e as

11 razões da adversidade. Paralelo a isso, tentar entender os próprios sentimentos em

12 relação ao processo como um todo.

13 O passo seguinte é pensar nas possíveis estratégias do que fazer ao sair da

14 crise. Afinal, projetar-se no futuro é sempre uma boa saída para suportar a dor do

15 momento. Mas é fundamental ter em mente que é no presente que a mudança

16 acontece. Assim como é essencial não depositar nos outros a tarefa de salvador da

17 pátria. Estabelecer laços com pessoas que podem representar coragem e estímulo é

18 uma coisa, mas deve ser de cada um a responsabilidade de se resgatar do fundo do

19 poço.

20 Vale a pena ainda valorizar as pequenas vitórias, pois isso traz

21 autoconfiança e serve de impulso para se tentar chegar a outras. Por fim, o

22 verdadeiro resiliente não pensa apenas em si, mas nos que vão se beneficiar com

23 as suas conquistas ou tomá-las como exemplo. No mais, é pagar para ver.



Disponível em:< http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/literatura/em-busca-resiliencia-1.htm >.

Acesso em 18 abr. 2016.

No texto “Em busca da resiliência”, percebe-se, nas entrelinhas, uma mensagem de tom

  • A.

    otimista na medida em que o autor acredita ser possível tornar-se uma pessoa resiliente.

  • B.

    crítico em relação às pessoas que fazem da própria existência um muro de lamentações.

  • C.

    pessimista, já que o autor crê que os problemas de fundo emocional não poupam ninguém.

  • D.

    profético com o qual se determina que o futuro será sempre uma boa saída para suportar a dor do momento.

Questão de Concurso - 1197901

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 7

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 6 A 10.


Em busca da resiliência


Roberto D’arte


1 Vivemos tempos difíceis em que os problemas de fundo emocional parecem

2 não poupar ninguém. Se deixar abater e fazer da própria existência um muro de

3 lamentações é uma ideia que me desagrada profundamente. Assim, prefiro acreditar

4 que os obstáculos existem não para barrar a nossa caminhada, mas para nos

5 lembrar que vencer significa estar também preparado para certos sacrifícios e para

6 muitos testes de resistência e determinação.

7 Não é nada fácil ser um resiliente, mas os especialistas dão algumas dicas

8 que podem ser um ponto de partida. Uma delas diz respeito à primeira reação que

9 se deve ter no instante em que surge a crise. É importante formular uma explicação

10 para o que está ocorrendo, analisar as circunstâncias, a sequência dos fatos e as

11 razões da adversidade. Paralelo a isso, tentar entender os próprios sentimentos em

12 relação ao processo como um todo.

13 O passo seguinte é pensar nas possíveis estratégias do que fazer ao sair da

14 crise. Afinal, projetar-se no futuro é sempre uma boa saída para suportar a dor do

15 momento. Mas é fundamental ter em mente que é no presente que a mudança

16 acontece. Assim como é essencial não depositar nos outros a tarefa de salvador da

17 pátria. Estabelecer laços com pessoas que podem representar coragem e estímulo é

18 uma coisa, mas deve ser de cada um a responsabilidade de se resgatar do fundo do

19 poço.

20 Vale a pena ainda valorizar as pequenas vitórias, pois isso traz

21 autoconfiança e serve de impulso para se tentar chegar a outras. Por fim, o

22 verdadeiro resiliente não pensa apenas em si, mas nos que vão se beneficiar com

23 as suas conquistas ou tomá-las como exemplo. No mais, é pagar para ver.



Disponível em:< http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/literatura/em-busca-resiliencia-1.htm >.

Acesso em 18 abr. 2016.

Comumente, a expressão “pagar para ver” denota “dúvida em relação à realização de algo prometido ou anunciado”, mas, no texto (l. 23), expressa o (a)
  • A.

    entusiasmo do autor quanto à possibilidade de se aprender a ser resiliente.

  • B.

    descrença do autor diante das recomendações dos especialistas em resiliência.

  • C.

    convicção do autor de que algo poderá ocorrer apenas para efeito de aparência.

  • D.

    certeza do autor de que as recomendações dos especialistas em resiliência são equivocadas.

Questão de Concurso - 1197904

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 8

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 6 A 10.


Em busca da resiliência


Roberto D’arte


1 Vivemos tempos difíceis em que os problemas de fundo emocional parecem

2 não poupar ninguém. Se deixar abater e fazer da própria existência um muro de

3 lamentações é uma ideia que me desagrada profundamente. Assim, prefiro acreditar

4 que os obstáculos existem não para barrar a nossa caminhada, mas para nos

5 lembrar que vencer significa estar também preparado para certos sacrifícios e para

6 muitos testes de resistência e determinação.

7 Não é nada fácil ser um resiliente, mas os especialistas dão algumas dicas

8 que podem ser um ponto de partida. Uma delas diz respeito à primeira reação que

9 se deve ter no instante em que surge a crise. É importante formular uma explicação

10 para o que está ocorrendo, analisar as circunstâncias, a sequência dos fatos e as

11 razões da adversidade. Paralelo a isso, tentar entender os próprios sentimentos em

12 relação ao processo como um todo.

13 O passo seguinte é pensar nas possíveis estratégias do que fazer ao sair da

14 crise. Afinal, projetar-se no futuro é sempre uma boa saída para suportar a dor do

15 momento. Mas é fundamental ter em mente que é no presente que a mudança

16 acontece. Assim como é essencial não depositar nos outros a tarefa de salvador da

17 pátria. Estabelecer laços com pessoas que podem representar coragem e estímulo é

18 uma coisa, mas deve ser de cada um a responsabilidade de se resgatar do fundo do

19 poço.

20 Vale a pena ainda valorizar as pequenas vitórias, pois isso traz

21 autoconfiança e serve de impulso para se tentar chegar a outras. Por fim, o

22 verdadeiro resiliente não pensa apenas em si, mas nos que vão se beneficiar com

23 as suas conquistas ou tomá-las como exemplo. No mais, é pagar para ver.



Disponível em:< http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/literatura/em-busca-resiliencia-1.htm >.

Acesso em 18 abr. 2016.

Há um desvio quanto às regras de regência verbal em

  • A.

    “serve de impulso para se tentar chegar a outras” (l. 21).

  • B.

    “é essencial não depositar nos outros a tarefa de salvador da pátria” (l. 16 e 17).

  • C.

    “para nos lembrar que vencer significa estar também preparado para certos sacrifícios” (l. 4 e 5).

  • D.

    “Estabelecer laços com pessoas que podem representar coragem e estímulo é uma coisa” (l. 17 e 18).

Questão de Concurso - 1197905

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 9

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 6 A 10.


Em busca da resiliência


Roberto D’arte


1 Vivemos tempos difíceis em que os problemas de fundo emocional parecem

2 não poupar ninguém. Se deixar abater e fazer da própria existência um muro de

3 lamentações é uma ideia que me desagrada profundamente. Assim, prefiro acreditar

4 que os obstáculos existem não para barrar a nossa caminhada, mas para nos

5 lembrar que vencer significa estar também preparado para certos sacrifícios e para

6 muitos testes de resistência e determinação.

7 Não é nada fácil ser um resiliente, mas os especialistas dão algumas dicas

8 que podem ser um ponto de partida. Uma delas diz respeito à primeira reação que

9 se deve ter no instante em que surge a crise. É importante formular uma explicação

10 para o que está ocorrendo, analisar as circunstâncias, a sequência dos fatos e as

11 razões da adversidade. Paralelo a isso, tentar entender os próprios sentimentos em

12 relação ao processo como um todo.

13 O passo seguinte é pensar nas possíveis estratégias do que fazer ao sair da

14 crise. Afinal, projetar-se no futuro é sempre uma boa saída para suportar a dor do

15 momento. Mas é fundamental ter em mente que é no presente que a mudança

16 acontece. Assim como é essencial não depositar nos outros a tarefa de salvador da

17 pátria. Estabelecer laços com pessoas que podem representar coragem e estímulo é

18 uma coisa, mas deve ser de cada um a responsabilidade de se resgatar do fundo do

19 poço.

20 Vale a pena ainda valorizar as pequenas vitórias, pois isso traz

21 autoconfiança e serve de impulso para se tentar chegar a outras. Por fim, o

22 verdadeiro resiliente não pensa apenas em si, mas nos que vão se beneficiar com

23 as suas conquistas ou tomá-las como exemplo. No mais, é pagar para ver.



Disponível em:< http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/literatura/em-busca-resiliencia-1.htm >.

Acesso em 18 abr. 2016.

Quanto às noções de morfologia, é incorreto afirmar que

  • A.

    ocorre o emprego de um adjetivo com valor de advérbio em “Paralelo a isso, tentar entender os próprios sentimentos” (l. 11).

  • B.

    o sufixo que aparece na palavra “especialistas” (l. 7) designa aqueles que praticam uma determinada atividade.

  • C.

    há um processo de substantivação de uma palavra que, originalmente, pertence à classe dos adjetivos em “Não é nada fácil ser um resiliente” (l. 7).

  • D.

    ocorreu o processo de derivação imprópria nos vocábulos sublinhados em “O passo seguinte é pensar nas possíveis estratégias do que fazer ao sair da crise” (l. 13 e 14).

Questão de Concurso - 1197910

Concurso Câmara de Monte Alegre Agente Administrativo 2016

Questão 10

Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (FADESP)

Nível Médio

LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES DE 6 A 10.


Em busca da resiliência


Roberto D’arte


1 Vivemos tempos difíceis em que os problemas de fundo emocional parecem

2 não poupar ninguém. Se deixar abater e fazer da própria existência um muro de

3 lamentações é uma ideia que me desagrada profundamente. Assim, prefiro acreditar

4 que os obstáculos existem não para barrar a nossa caminhada, mas para nos

5 lembrar que vencer significa estar também preparado para certos sacrifícios e para

6 muitos testes de resistência e determinação.

7 Não é nada fácil ser um resiliente, mas os especialistas dão algumas dicas

8 que podem ser um ponto de partida. Uma delas diz respeito à primeira reação que

9 se deve ter no instante em que surge a crise. É importante formular uma explicação

10 para o que está ocorrendo, analisar as circunstâncias, a sequência dos fatos e as

11 razões da adversidade. Paralelo a isso, tentar entender os próprios sentimentos em

12 relação ao processo como um todo.

13 O passo seguinte é pensar nas possíveis estratégias do que fazer ao sair da

14 crise. Afinal, projetar-se no futuro é sempre uma boa saída para suportar a dor do

15 momento. Mas é fundamental ter em mente que é no presente que a mudança

16 acontece. Assim como é essencial não depositar nos outros a tarefa de salvador da

17 pátria. Estabelecer laços com pessoas que podem representar coragem e estímulo é

18 uma coisa, mas deve ser de cada um a responsabilidade de se resgatar do fundo do

19 poço.

20 Vale a pena ainda valorizar as pequenas vitórias, pois isso traz

21 autoconfiança e serve de impulso para se tentar chegar a outras. Por fim, o

22 verdadeiro resiliente não pensa apenas em si, mas nos que vão se beneficiar com

23 as suas conquistas ou tomá-las como exemplo. No mais, é pagar para ver.



Disponível em:< http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/literatura/em-busca-resiliencia-1.htm >.

Acesso em 18 abr. 2016.

A reformulação do fragmento do texto que não mantém o sentido original é

  • A.

    não para impedir que avancemos (l. 4).

  • B.

    Não é nada fácil superar traumas (l. 7).

  • C.

    os problemas de natureza emocional (l. 1).

  • D.

    fazer da própria vida um muro de arrimo (l. 2 e 3).