Lei nº 8.069/1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente / ECA Parte Especial Da Prática de Ato Infracional

Texto para as questões 21 e 22

Presa a líder de gangue de menores que

agia nas praias

A polícia do Rio de Janeiro prendeu uma mulher de 37 anos que, segundo policiais, alicia garotos e garotas, entre eles as próprias filhas, de 13 e 15 anos de idade, para roubar. De acordo com a polícia, a aliciadora distribui tarefas entre, aproximadamente, 10 meninos e indica como e quando eles devem agir. Em seguida, a mulher sai de cena e volta somente depois do roubo, para conferir o que foi recolhido. Os jovens, que têm entre 10 e 17 anos de idade, dormem na praia ou em abrigos e utilizam bueiros e galerias de águas pluviais para se esconder e para colocar os objetos roubados. Às vezes, pedem esmolas; outras, assaltam. Todos fumam maconha e cheiram cocaína e solvente. A aliciadora foi autuada por formação de quadrilha, por furto e por infração do artigo 232 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que dispõe sobre a exposição de menor a constrangimento.

Com base em conceitos da psicologia, assinale a opção correta acerca das características, do processo de desenvolvimento e dos comportamentos das crianças descritas no texto.

  • A.

    De acordo com a psicologia atual e à luz do ECA, a mãe e as duas filhas citadas no texto não constituem uma família natural de fato.

  • B.

    Considerando o enfoque da terapia familiar sistêmica, as famílias dos jovens referidos no texto são os principais responsáveis pelo desenvolvimento do comportamento adictivo entre eles.

  • C.

    O tratamento comportamental cognitivo das adicções para esses jovens deve ser focado nas interações entre variáveis pulsionais, cognitivas, sociais e do desenvolvimento, visando a mudanças no inconsciente e no self do indivíduo.

  • D.

    No caso descrito no texto, o uso de drogas pode ser um modo de enfrentamento das condições adversas em que os jovens vivem.