Medicina Especialidade Psiquiatria

O transtorno de apego reativo (TAR) é um transtorno clínico que ocorre em crianças pequenas e tem como principal característica

  • A.

    a ansiedade imprópria e excessiva em relação ao nível de desenvolvimento, envolvendo o afastamento do lar ou de figuras de vinculação, sendo importante fator de risco para o desenvolvimento de fobia social.

  • B.

    o vínculo social acentuadamente perturbado e impróprio para o nível de desenvolvimento na maioria dos contextos, podendo ocorrer fracasso em desenvolver interação social ou vínculos difusos e indiscriminados, sendo necessário o histórico pessoal de abuso, maus tratos ou negligência durante a primeira infância, podendo ser do tipo inibido e desinibido.

  • C.

    a relação simbiótica com figuras representativas das relações parentais introjetadas, podendo se estender para objetos de transição, constituindo fator de risco para o desenvolvimento futuro de transtorno obsessivo- compulsivo.

  • D.

    o medo excessivo e persistente de ser abandonado, estando relacionado à fantasia primitiva de aniquilação, sendo um importante fator de risco para o transtorno de personalidade borderline.

  • E.

    o medo impróprio e excessivo em relação ao nível de desenvolvimento de se vincular a outras figuras de importância, como outros parentes, professores e amigos, sendo fator de risco para o desenvolvimento do transtorno de personalidade de esquiva.