Medicina Especialidade Medicina Nuclear Radiologia

A radiografia de tórax no atendimento emergencial ainda configura-se de extrema importância, mesmo com o grande avanço tecnológico obtido nas últimas décadas com outros métodos de imagem. Devido sua ampla disponibilidade, baixo custo e rapidez, fazem da radiografia simples de tórax um dos primeiros exames complementares a serem solicitados na maioria dos casos atendidos nos Serviços de Emergência.

Sobre a radiografia de tórax, é correto afirmar que

  • A. o radiologista deve ser capaz de detectar se houve ou não rotação do paciente. Nesses casos, a rotação ou angulação não trará distorções das imagens anatômicas reais.
  • B. o radiologista, na impossibilidade de realizar a radiografia com inspiração completa, utilizará a expressão “esforço inspiratório insuficiente”, pois os pacientes não serão capazes de um bom esforço inspiratório.
  • C. radiologista, na impossibilidade de realizar a radiografia com inspiração completa, utilizará a expressão “esforço inspiratório insuficiente”, pois os pacientes não serão capazes de um bom esforço inspiratório.
  • D. o derrame pleural é causado por um colapso de parte ou de todo o pulmão com desvio do brônquio fonte para o lado da região colapsada. Na radiografia, é possível evidenciar regiões pulmonares radiodensas com desvio das estruturas em direção à lesão nos casos graves. Podem existir ainda os sinais diretos e indiretos de colapso.
  • E. o sinal do sulco profundo é um importante sinal, visto em situações de atelectasia, que pode ser o único indício da presença de ar no espaço pleural. Pacientes nessas condições em posição ortostática têm o ar pleural, preferencialmente, ocupando as regiões súpero-laterais do hemitórax, sendo a sua visualização relativamente facilitada.