Durante o século XX, no Brasil, destacaram-se quatro métodos de educação musical: o método analítico de João Gomes Júnior, o método coral de Heitor Villa Lobos, o método de iniciação musical de Antônio Leal Sá Pereira e o método de recreação musical de Liddy Mignone. Sobre esses autores e seus respectivos métodos, assinale a alternativa INCORRETA.
  • A. O método de iniciação musical de Sá Pereira baseia-se na iniciação sensorial com ênfase na experiência musical antes dos conhecimentos teóricos. Influenciado pelos conceitos musicais de Orff, Dalcroze e Kodaly, e pelos conceitos educacionais de Piaget, propunha uma educação musical servida de atividades espontâneas, envolvendo atividades em grupo, danças e conjuntos de percussão a fim de propiciar a vivência e a experiência do fenômeno musical e das relações entre sons e sonoridades.
  • B. Gomes Júnior criou o Método Analítico em 1915, sendo o pioneiro, apesar de não ser mais utilizado. O método introduziu o canto coral na educação brasileira e apresentava um sistema de sinais análogo ao Manossolfa, podendo ainda ser associado a Dalcroze no que diz respeito ao movimento.
  • C. Após uma série de viagens empreendidas pelo interior do Brasil, onde teve contato com diversas manifestações musicais folclóricas e indígenas, Villa Lobos implantou um método coral nacionalista, cujo repertório é composto por canções indígenas, inclusive com a adição de instrumentos típicos dessa cultura.
  • D. Liddy Mignone criou seu método em 1961, baseando o conceito de educação musical percebida pela criança como recreação, e não como imposição. Defendia o aprendizado musical desde o início da infância e que o contexto musical fosse apresentado através de estórias infantis, jogos, brincadeiras e dramatizações.
  • E. A implantação do método defendido por Villa Lobos como disciplina obrigatória nas escolas do Rio de Janeiro e depois do restante do Brasil surgiu a partir do convite, feito por Anísio Teixeira, para assumir o cargo de diretor da Superintendência de Educação Musical e Artística (SEMA). Apesar de controverso por associar educação musical com ideias de moral e civismo, e por estar ligado ao Estado Novo, o ensino obrigatório do Canto Orfeônico foi a tentativa mais robusta de implantação da educação musical nas escolas brasileiras na época.