Questões de Concursos Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE)

Ver página SEDUC/PE Navegar questão a questão

Questão 71729

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2006

Cargo: Técnico Educacional - Área Pedagogia / Questão 33

Banca: Instituto de Planejamento e Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico e Científico (IPAD)

Nível: Superior

Organizar o currículo por área de conhecimento significa:

  • A.

    exigir a dedicação integral dos professores.

  • B.

    exigir a dedicação total dos alunos.

  • C.

    integrar mais especialistas das diferentes áreas do conhecimento ao currículo escolar.

  • D.

    superar a concepção tradicional de currículo.

  • E.

    modificar a estrutura organizacional da escola.

Questão 71796

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2006

Cargo: Técnico Educacional - Área Pedagogia / Questão 42

Banca: Instituto de Planejamento e Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico e Científico (IPAD)

Nível: Superior

... "A discussão sobre o 'erro' provocou muita polêmica em torno do papel do professor no processo de avaliação do aluno e do papel atual da escola. Pinto (2000). A visão construtivista sobre o erro se distancia da forma como o erro é visto no ensino tradicional. Analise as afirmativas abaixo, indicando (T) para o que se refere ao erro no contexto do ensino Tradicional e (C) numa visão construtivista do ensino.

( ) A escola aponta as formas erradas e conduz à memorização das respostas certas.

( ) A responsabilidade do professor é tão somente de verificar as respostas certas e erradas, atribuir a nota e, em seguida, entregar os resultados à secretaria da escola.

( ) O professor analisa os erros dos alunos, identificando a lógica que conduziu às respostas apresentadas.

( ) O professor interessa-se pelos erros, esforça-se para compreendê-los, e oferece ao aluno os meios para tomar consciências deles, identificar sua origem e transpô-los

( ) A análise do erro é uma fonte de informações/subsídios para as decisões do professor em relação a sua prática pedagógica.

A seqüência correta é:

  • A.

    TTCCC

  • B.

    TTCTC

  • C.

    TTTCC

  • D.

    TCTTT

  • E.

    TCCCT

Questão 72113

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2006

Cargo: Professor - Área: Geografia / Questão 47

Banca: Instituto de Planejamento e Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico e Científico (IPAD)

Nível: Superior

Os movimentos migratórios foram responsáveis pela ocupação de grandes extensões do território brasileiro. O primeiro fluxo migratório significativo ocorreu com:

  • A.

    o ciclo da mineração, iniciado em Minas Gerais.

  • B.

    o deslocamento de criadores de gado do litoral nordestino para o Sertão.

  • C.

    a industrialização de São Paulo e Rio de Janeiro.

  • D.

    o êxodo rural , em face da crise do cultivo de algodão no semi-árido

  • E.

    a extração de borracha na Floresta Amazônica.

Questão 1206777

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2008

Cargo: Assistente Administrativo Educacional / Questão 1

Banca: Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (UPENET/IAUPE)

Nível: Médio

Leia atentamente o texto I para responder às questões de 01 a 09. 

Texto I 


No Ensino, como em outras coisas, a liberdade deve ser questão de grau. Há liberdades que não podem ser toleradas. Uma vez conheci uma senhora que afirmava não se dever proibir coisa alguma a uma criança, pois deve desenvolver sua natureza de dentro para fora. “E se a sua natureza a levar a engolir alfinetes?” indaguei; lamento dizer que a resposta foi puro vitupério. No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde, engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim. Um pouquinho mais velhos, os meninos, podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molharem os pés, e assim por diante – além do fato de se divertirem importunando anciãos, que nem sempre possuem a capacidade de resposta de defesa. Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta. Deve existir um elemento de disciplina e autoridade; a questão é até que ponto, e como deve ser exercido.  

(RUSSEL, B. Ensaios Céticos. 2. ed. São Paulo, Nacional, 1957

O tema geral do texto I é:

  • A.

    a liberdade é um valor imaginário.

  • B.

    a autoridade e a disciplina são valores absolutos.

  • C.

    a liberdade é um valor que admite gradações.

  • D.

    a liberdade é sinônimo de fazer o que der na veneta.

  • E.

    as pessoas nunca sabem usar a liberdade.

Questão 1206783

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2008

Cargo: Assistente Administrativo Educacional / Questão 2

Banca: Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (UPENET/IAUPE)

Nível: Médio

Leia atentamente o texto I para responder às questões de 01 a 09. 

Texto I 


No Ensino, como em outras coisas, a liberdade deve ser questão de grau. Há liberdades que não podem ser toleradas. Uma vez conheci uma senhora que afirmava não se dever proibir coisa alguma a uma criança, pois deve desenvolver sua natureza de dentro para fora. “E se a sua natureza a levar a engolir alfinetes?” indaguei; lamento dizer que a resposta foi puro vitupério. No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde, engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim. Um pouquinho mais velhos, os meninos, podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molharem os pés, e assim por diante – além do fato de se divertirem importunando anciãos, que nem sempre possuem a capacidade de resposta de defesa. Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta. Deve existir um elemento de disciplina e autoridade; a questão é até que ponto, e como deve ser exercido.  

(RUSSEL, B. Ensaios Céticos. 2. ed. São Paulo, Nacional, 1957

Após ler o texto I, é CORRETO afirmar que


I. existem algumas liberdades que não podem ser toleradas.

II. há limites para a liberdade.

III. a liberdade não é uma questão de grau.

IV. só devem existir restrições à liberdade no ensino.

V. quem advoga a liberdade da educação afirma que as crianças não devem fazer o que desejarem.


Estão CORRETAS

  • A.

    I, II, III e IV.

  • B.

    I, II, III e V.

  • C.

    I, II, III, IV e V.

  • D.

    I, II e IV.

  • E.

    I, II e V.

Questão 1206784

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2008

Cargo: Assistente Administrativo Educacional / Questão 3

Banca: Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (UPENET/IAUPE)

Nível: Médio

Leia atentamente o texto I para responder às questões de 01 a 09. 

Texto I 


No Ensino, como em outras coisas, a liberdade deve ser questão de grau. Há liberdades que não podem ser toleradas. Uma vez conheci uma senhora que afirmava não se dever proibir coisa alguma a uma criança, pois deve desenvolver sua natureza de dentro para fora. “E se a sua natureza a levar a engolir alfinetes?” indaguei; lamento dizer que a resposta foi puro vitupério. No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde, engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim. Um pouquinho mais velhos, os meninos, podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molharem os pés, e assim por diante – além do fato de se divertirem importunando anciãos, que nem sempre possuem a capacidade de resposta de defesa. Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta. Deve existir um elemento de disciplina e autoridade; a questão é até que ponto, e como deve ser exercido.  

(RUSSEL, B. Ensaios Céticos. 2. ed. São Paulo, Nacional, 1957

A partir do trecho “...toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim...” infere-se que o autor quis mostrar um primeiro limite à liberdade de não se fazer o que quiser. Esse primeiro limite diz respeito à(a)

  • A.

    integridade física do indivíduo.

  • B.

    ser violento quando for preciso.

  • C.

    seguir sempre seus impulsos.

  • D.

    ser obediente quando criança e uma vez mais velhos não devem obediência a nada nem a ninguém.

  • E.

    respeitar, apenas, o próximo, sem se preocupar consigo mesmo.

Questão 1206786

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2008

Cargo: Assistente Administrativo Educacional / Questão 4

Banca: Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (UPENET/IAUPE)

Nível: Médio

Leia atentamente o texto I para responder às questões de 01 a 09. 

Texto I 


No Ensino, como em outras coisas, a liberdade deve ser questão de grau. Há liberdades que não podem ser toleradas. Uma vez conheci uma senhora que afirmava não se dever proibir coisa alguma a uma criança, pois deve desenvolver sua natureza de dentro para fora. “E se a sua natureza a levar a engolir alfinetes?” indaguei; lamento dizer que a resposta foi puro vitupério. No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde, engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim. Um pouquinho mais velhos, os meninos, podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molharem os pés, e assim por diante – além do fato de se divertirem importunando anciãos, que nem sempre possuem a capacidade de resposta de defesa. Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta. Deve existir um elemento de disciplina e autoridade; a questão é até que ponto, e como deve ser exercido.  

(RUSSEL, B. Ensaios Céticos. 2. ed. São Paulo, Nacional, 1957

“Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta.” A expressão coloquial em destaque pode ser melhor traduzida por

  • A.

    na cabeça.

  • B.

    na vida.

  • C.

    na ilusão.

  • D.

    na infância.

  • E.

    na escola.

Questão 1206795

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2008

Cargo: Assistente Administrativo Educacional / Questão 5

Banca: Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (UPENET/IAUPE)

Nível: Médio

Leia atentamente o texto I para responder às questões de 01 a 09. 

Texto I 


No Ensino, como em outras coisas, a liberdade deve ser questão de grau. Há liberdades que não podem ser toleradas. Uma vez conheci uma senhora que afirmava não se dever proibir coisa alguma a uma criança, pois deve desenvolver sua natureza de dentro para fora. “E se a sua natureza a levar a engolir alfinetes?” indaguei; lamento dizer que a resposta foi puro vitupério. No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde, engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim. Um pouquinho mais velhos, os meninos, podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molharem os pés, e assim por diante – além do fato de se divertirem importunando anciãos, que nem sempre possuem a capacidade de resposta de defesa. Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta. Deve existir um elemento de disciplina e autoridade; a questão é até que ponto, e como deve ser exercido.  

(RUSSEL, B. Ensaios Céticos. 2. ed. São Paulo, Nacional, 1957

Assinale a opção que NÃO expressa o significado da seguinte frase do texto: “...lamento dizer que a resposta foi puro vitupério...”

  • A.

    lamento dizer que a resposta foi puro ato de insulto.

  • B.

    lamento dizer que a resposta foi puro ato de aplauso.

  • C.

    lamento dizer que a resposta foi puro ato de afronta.

  • D.

    lamento dizer que a resposta foi puro ato de injúria.

  • E.

    lamento dizer que a resposta foi puro ato de ofensa.

Questão 1206822

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2008

Cargo: Assistente Administrativo Educacional / Questão 6

Banca: Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (UPENET/IAUPE)

Nível: Médio

Leia atentamente o texto I para responder às questões de 01 a 09. 

Texto I 


No Ensino, como em outras coisas, a liberdade deve ser questão de grau. Há liberdades que não podem ser toleradas. Uma vez conheci uma senhora que afirmava não se dever proibir coisa alguma a uma criança, pois deve desenvolver sua natureza de dentro para fora. “E se a sua natureza a levar a engolir alfinetes?” indaguei; lamento dizer que a resposta foi puro vitupério. No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde, engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim. Um pouquinho mais velhos, os meninos, podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molharem os pés, e assim por diante – além do fato de se divertirem importunando anciãos, que nem sempre possuem a capacidade de resposta de defesa. Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta. Deve existir um elemento de disciplina e autoridade; a questão é até que ponto, e como deve ser exercido.  

(RUSSEL, B. Ensaios Céticos. 2. ed. São Paulo, Nacional, 1957

É sabido que o fenômeno da crase vem indicado na escrita pelo sinal grave ( ` ), cuja presença sobre o a/as é facultativa em certos casos. Em qual das alternativas abaixo a crase é facultativa.

  • A.

    O primeiro limite diz respeito a integridade individual.

  • B. O primeiro limite diz respeito a seguir sempre seus impulsos.
  • C.

    O primeiro limite é imprescindível a liberdade.

  • D.

    A liberdade deve ser conquistada face a face.

  • E.

    Há coisas necessárias a sua integridade física.

Questão 1206833

Secretaria de Estado de Educação de Pernambuco - PE (SEDUC/PE) 2008

Cargo: Assistente Administrativo Educacional / Questão 7

Banca: Instituto de Apoio à Universidade de Pernambuco (UPENET/IAUPE)

Nível: Médio

Leia atentamente o texto I para responder às questões de 01 a 09. 

Texto I 


No Ensino, como em outras coisas, a liberdade deve ser questão de grau. Há liberdades que não podem ser toleradas. Uma vez conheci uma senhora que afirmava não se dever proibir coisa alguma a uma criança, pois deve desenvolver sua natureza de dentro para fora. “E se a sua natureza a levar a engolir alfinetes?” indaguei; lamento dizer que a resposta foi puro vitupério. No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde, engolirá alfinetes, tomará veneno, cairá de uma janela alta ou doutra forma chegará a mau fim. Um pouquinho mais velhos, os meninos, podendo, não se lavam, comem demais, fumam até enjoar, apanham resfriados por molharem os pés, e assim por diante – além do fato de se divertirem importunando anciãos, que nem sempre possuem a capacidade de resposta de defesa. Quem advoga a liberdade da educação não quer dizer que as crianças devam fazer, o dia todo, o que lhes der na veneta. Deve existir um elemento de disciplina e autoridade; a questão é até que ponto, e como deve ser exercido.  

(RUSSEL, B. Ensaios Céticos. 2. ed. São Paulo, Nacional, 1957

“No entanto, toda criança abandonada a si mesma, mais cedo ou mais tarde, engolirá alfinetes...” O termo destacado pode ser substituído por
  • A.

    mesmo que.

  • B.

    a fim de que.

  • C.

    caso.

  • D.

    contudo.

  • E.

    se.