Pedagogia Educação e Sociologia Educação e cidadania

Diante de um entendimento limitado da responsabilidade dos governos vistos como paternalistas, autoritários, a leitura ao “pé da letra” da determinação constitucional de que a Educação é dever do Estado e, apenas, direito da sociedade, dissocia direitos de uns e deveres de outros. Essa concepção meramente teórica de caráter mais normativo, certo-errado, perfeito-imperfeito, ainda, orienta a linearidade dos processos educacionais.

Alguns pressupostos emergem dessa realidade, EXCETO:

  • A.

    A incerteza, a ambiguidade, o conflito e a crise que são encarados como disfunções e como problemas a serem evitados e reprimidos e não como oportunidades de crescimento e transformação.

  • B.

    O ambiente de trabalho e o comportamento humano são imprevisíveis, podendo ser, em consequência, controláveis por normas e regulamentos, que garantiriam uma uniformidade da ação.

  • C.

    A objetividade garante bons resultados, sendo a técnica o elemento fundamental para a melhoria do trabalho.

  • D.

    A contrapartida às variadas formas de cooptação é o protecionismo aos participantes, mediante ações paternalistas e condescendentes.

  • E.

    As estratégias e os modelos de administração que deram certo e não devem ser mudados, como forma de garantir a continuidade do sucesso.