Medicina Especialidade Psiquiatria

Texto V, para responder às questões 44 e 45

Uma paciente de 44 anos de idade, divorciada, publicitária, sem filhos, comparece em consulta, relatando estar-se sentindo muito mal. “Estou agoniada por dentro, não consigo parar e relaxar um minuto”; refere que vem se sentindo assim há pelo menos dez dias e não aguenta mais. Associadamente apresenta-se muito triste e angustiada, com pensamentos altamente negativistas que se sucedem ininterruptamente em sua mente, de forma muito rápida. Chegou a pensar que não vale a pena continuar vivendo nessa situação. Durante a consulta, muda várias vezes de posição na cadeira, levantando-se algumas vezes para “respirar melhor”. Quando interrogada, concordou que está muito ansiosa, acrescentando que não vem conseguindo dormir durante esse período. Informa também que não tem apetite algum e que, nesses dez dias, deve ter perdido, pelo menos, uns três quilos. Acrescenta que sua libido está completamente abolida e que não consegue sequer ouvir a voz do namorado. Ao interrogatório sobre sintomas psiquiátricos pregressos, a paciente refere episódios depressivos passados frequentes. Relata ter um trabalho extremamente extenuante e de muita responsabilidade e que passa, às vezes, semanas com muita irritabilidade e agitação, especialmente quando precisa trabalhar muitas horas seguidas, comprometendo seu sono e horários de alimentação. Afirma que o excesso de demandas, pelas quais passa, não permite que fique bem de humor. “Mal me sinto melhor, acontece algo estressante e já entro novamente em outro processo de depressão ou forte irritabilidade”. Não se recorda de ter passado sequer dois meses bem, no último ano.

Considerando que os exames laboratoriais da paciente estejam todos normais, assinale a alternativa que apresenta o encaminhamento terapêutico correto para esse caso.

  • A.

    Prescrever mirtazapina e encaminhar para psicanálise para ajudá-la a lidar com a negação e as fantasias de onipotência.

  • B.

    Prescrever benzodiazepínicos e recomendar férias para afastá-la do estresse profissional.

  • C.

    Prescrever escitalopran e cloridrato de bupropiona para tratar sua depressão e melhorar a libido.

  • D.

    Prescrever carbolitium e encaminhá-la para terapia cognitiva, a fim de proceder à reestruturação cognitiva.

  • E.

    Prescrever divalproato de sódio e encaminhá-la para terapia interpessoal e de ritmos sociais.